Vacinação

Pode consumir bebida alcoólica após receber dose da vacina da Janssen contra a covid-19?

Uma dúvida que muitos brasileiros têm sobre as vacinas contra a covid-19, como a da Janssen, é se beber interfere na imunização

Karina Albuquerque
Karina Albuquerque
Publicado em 15/06/2021 às 13:00 | Atualizado em 20/12/2021 às 18:30
Felipe Ribeiro/ JC Imagem
FOTO: Felipe Ribeiro/ JC Imagem
Leitura:

Várias são as tecnologias aplicadas nas vacinas que estão em desenvolvimento e/ou já em uso ao redor do mundo, contra a covid-19.

A vacina da Janssen/Johnson & Johnson é uma das que estão aprovadas no Brasil, assim como as vacinas Fiocruz/Oxford/AstraZeneca, Sinovac/Butatan (Coronavac) e Pfizer/BioNTech.

 

Vacina da Janssen e álcool

O consumo de bebidas alcoólicas é uma prática comum no Brasil. Muita gente tem medo de beber e ter algum tipo de efeito colateral, ou interferência na ação da vacina.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), que está envolvida nas decisões do Programa Nacional de Imunização, anunciou que nenhuma vacina restringe o uso de bebidas alcoólicas ou exige precauções, inclusive todas aquelas contra o coronavírus.

Não há qualquer interferência na resposta imunológica ou aumento do risco de eventos adversos.

Efeitos do álcool

Mas é importante ressaltar que o abuso do álcool pode enfraquecer o sistema imunológico, aumentando o risco de infecções por vírus e bactérias. Além disso, o uso crônico também pode trazer diversos outros prejuízos à saúde e à vida.

>> Por que as pessoas com duas doses da vacina ainda podem contrair a covid-19?

 Campanhas de vacinação

Além da vacinação contra o Coronavírus, está acontecendo simultaneamente a Campanha Nacional de Vacinação contra o vírus da gripe (Influenza). Desenvolvida pelo Ministério da Saúde em todo o território nacional, estima-se que a vacina alcance 79,7 milhões de pessoas.

Aqueles que tomaram a primeira ou a segunda dose da vacina contra a COVID-19 devem esperar 14 dias, no mínimo, para tomar o imunizante contra a Influenza.

Pronunciamento do Governo

Em abril, junto com o Ministério da Saúde, a SBIm declarou que, até o momento, não existe recomendação específica voltada para a imunização contra a covid-19 e o consumo de álcool.

Com isso, muitos comentários em redes sociais, onde pessoas afirmaram ter tido reações alérgicas após tomar a vacina, ou que diziam ser necessário esperar 30 dias, foram anulados.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde afirmou que “não há nenhuma evidência sobre a relação do álcool com o comprometimento da formação de anticorpos da vacina contra a covid-19”.

Em entrevista para O Globo, a diretora da SBIm, Mônica Levi, falou que essa desinformação pode desincentivar a população a tomar a vacina contra a covid-19.

Já a vice-presidente do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa), a biomédica Erica Siu, alertou sobre o alto consumo de álcool.

"A preocupação que a gente tem não é só com a vacina, é por toda a questão do consumo pesado de álcool em tempos de pandemia. É importante que as pessoas tenham um controle do consumo", disse.

Mais Lidas