investigação

Secretário afirma que existe uma organização criminosa por trás de Lázaro Barbosa

'Ainda temos pessoas para prender', afirmou o secretário de Segurança Pública de Goiás após a morte de Lázaro Barbosa

Com informações do Estado de Minas
Com informações do Estado de Minas
Publicado em 28/06/2021 às 16:30 | Atualizado em 11/05/2022 às 20:37
Reprodução/Polícia Militar de Goiás
FOTO: Reprodução/Polícia Militar de Goiás
Leitura:

O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, afirmou que ainda há pessoas a serem presas, mesmo apesar da morte de Lázaro Barbosa, conhecido como 'serial killer de Brasília'.

A declaração foi dada durante entrevista coletiva nesta segunda-feira (28). De acordo com o secretário, existe uma organização criminosa por trás da fuga de Lázaro Barbosa, que durou 20 dias entre Goiás e Distrito Federal.

“Ainda temos algumas pessoas para investigar e prender. Agora, sai a força intensiva e fica o trabalho investigativo até a gente ir até o último envolvido”, confirmou.

A força-tarefa encontrou, junto ao corpo do foragido, cerca de R$ 4,4 mil com Lázaro Barbosa. De acordo com um perito, o criminoso teria levado mais de 20 tiros de pistola e fuzil.

> Morte de Lázaro Barbosa: 'CPF cancelado', diz Jair Bolsonaro nas redes sociais

> “Eu vou morrer, mas vou levar vocês”, teria dito Lázaro Barbosa à polícia antes de morrer

“Além da arma, ele foi encontrado com cerca de 4.400 reais no bolso. Isso é mais uma prova de que tinha gente acobertando ele. O indicativo de dinheiro no bolso indica que, certamente, ele planejava fugir do estado ou até do país”, completou o o secretário Rodney Miranda.

Lázaro procurava por ex-namorada

O secretário de Segurança Pública de Goiás também revelou que Lázaro Barbosa foi até a casa da ex-esposa e da ex-sogra. As duas prestavam depoimento quando a ex-companheira passou mal e o interrogatório foi adiado.

> Polícia investigará se Lázaro atuou como jagunço e teve ajuda na fuga

> Com rosto coberto, Lázaro Barbosa é arrastado por policiais e arremessado em veículo; veja vídeo

Ainda não previsão para quando as duas vão prestar depoimento na Delegacia Regional de Águas Lindas.

A polícia investiga se elas estariam dado suporte a Lázaro Barbosa e se estariam sendo obrigadas a apoiar o criminoso.

Mais Lidas