Auxílio

Auxílio Brasil pode pagar duas parcelas extras mensais, para aumentar valor: veja detalhes do programa que deve substituir auxílio emergencial e Bolsa Família

Entenda as datas, como seria feita essa divisão de parcelas do Auxílio Brasil, e qual seria esse valor mensal mais alto. Programa deve substituir auxílio emergencial e Bolsa Família

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 19/10/2021 às 7:38
Agência Brasil
FOTO: Agência Brasil
Leitura:

A 13 dias do fim do auxílio emergencial, o governo Bolsonaro analisa uma nova proposta, que incluiria o Auxílio Brasil (novo Bolsa Família) e duas parcelas complementares, uma dentro e outra fora do teto de gastos, que é a regra que limita o avanço das despesas à variação da inflação.

>> Vai ter auxílio emergencial até o final do ano que vem? Veja tudo o que se sabe sobre a ampliação do pagamento

Previsão de novo valor

De acordo com o Estadão/Broadcast, a alternativa permitiria o pagamento de, em média, R$ 400 no ano que vem, quando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) buscará a reeleição.

>> O que acontece com o Bolsa Família depois do fim do auxílio emergencial?

Parcelas extras

Segundo o Estadão, a nova proposta seria pagar o Auxílio Brasil no valor médio que cabe dentro do Orçamento atual do programa (R$ 35 bilhões), o que daria R$ 194,45, conforme parecer de mérito elaborado pelo Ministério da Cidadania obtido pelo Estadão por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Uma fonte do jornal informou que, além dessa parcela, haveria duas adicionais de aproximadamente R$ 100 cada, pagas ao mesmo público que receberá o Auxílio Brasil. O governo pretende beneficiar 17 milhões de famílias.

Uma das parcelas adicionais temporárias seria paga dentro do teto de gastos, com o espaço aberto por meio da aprovação da PEC dos precatórios. A parcela do teto chegaria a R$ 300, a começar em novembro. A segunda parcela, que faria o benefício total chegar a R$ 400, seria paga a partir de dezembro, para dar tempo de incluir na PEC dos precatórios autorização para a despesa ficar fora do teto, de acordo com interlocutores da ala política do governo federal.

Outras opções

Há outras opções em análise, como a extensão do auxílio emergencial. Criado para amortecer os impactos econômicos da covid-19 sobre os mais vulneráveis, o benefício hoje paga R$ 150 a R$ 375 a 39 milhões de brasileiros.

A equipe do Ministério da Economia tenta resistir a qualquer pagamento que seja feito fora do teto de gastos, mas a ala política do governo tem atuado para enfraquecer a posição do chefe da pasta, Paulo Guedes. Nesse ambiente de indefinição, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), relativizou, nessa segunda-feira (18), a importância do cumprimento das regras fiscais ao defender urgência na definição do novo programa social do governo. Ele disse que não se pode "pensar só em teto de gastos e responsabilidade fiscal", em detrimento da população.

Mais Lidas