investigação

Testemunha revela o que teria acontecido com criança de 2 anos morta com sinais de estupro em Paulista

O corpo da menina foi enterrado no cemitério de Guadalupe, em Olinda. A polícia já iniciou as investigações do caso

Robert Sarmento
Robert Sarmento
Publicado em 25/10/2021 às 16:45
GUGA MATOS / JC IMAGEM
FOTO: GUGA MATOS / JC IMAGEM
Leitura:

A Polícia Civil está investigando a morte de uma menina de dois anos, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A criança, que tinha sinas de violência sexual, chegou a ser socorrida para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiu aos ferimentos. O repórter Emerson Pereira conversou nesta segunda-feira (25) com uma testemunha, que não quis ser identificada, e ela contou detalhes do que pode ter acontecido com a criança.

> 'Foram 5 minutos de distração', diz tia de menina de 1 ano que morreu afogada ao cair em cisterna

> Existem indícios sobre quem matou menino de 7 anos em matagal em Camaragibe? Veja o que se sabe

''No bairro, foi informado que ela foi estuprada. Ao mesmo tempo, chegou a notícia de que o estupro não foi recente e teria acontecido quando a criança tinha de seis a oito meses de vida. Mas também não foi nada confirmado'', revelou a testemunha à TV Jornal.

Agressão física

Uma mulher foi presa por ser considerada suspeita do crime. O programa Por Aqui teve acesso ao relato dela com os policias no possível local do crime. Na conversa com a polícia, ela nega as acusações. Ainda de acordo com os investigação, a mãe da pequena seria garota de programa e, quando saia para trabalhar, a criança ficava com uma família. A informação repassada pela testemunha é que a suspeita teria agredido fisicamente a menina no abdômen. A mãe teria chegado depois e, ao saber do ocorrido, ficou desesperada.

Sepultamento e investigação

O corpo do bebê foi enterrado no cemitério de Guadalupe, em Olinda. A polícia iniciou a investigação. A cuidadora foi presa em flagrante e levada para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e aguarda audiência de custódia. Até o momento, a família da vítima ainda não comentou o caso.

Mais Lidas