Paralisação

Greve dos caminhoneiros acontece nesta segunda, 1º de novembro; Veja últimas notícias

Entre as reclamações que levaram à greve dos caminhoneiros está o aumento dos preços dos combustíveis, como o diesel e a gasolina

TV Jornal
TV Jornal
Publicado em 01/11/2021 às 6:47 | Atualizado em 20/04/2022 às 12:09
Thomaz Silva/Agência Brasil
FOTO: Thomaz Silva/Agência Brasil
Leitura:

Esta segunda-feira, 1º de novembro, é o dia marcado para início de mais uma Greve dos Caminhoneiros, no Brasil.

O anúncio vem sendo feito há semanas e a categoria garante que o movimento tem início hoje. O Governo Federal para evitar as consequências que costumam vir com essas paralisações.

Por meio da Advocacia-Geral da União (AGU),já obteve 29 interditos proibitórios na Justiça.

As decisões garantem o impedimento de ações iminentes que ameaçam a posse de alguém, neste caso, rodovias e vias de acesso que cortam o País.

Segundo o Ministério de Infraestrutura, há "garantia do pleno funcionamento logístico".

Pedido negado em Pernambuco

Em Pernambuco, no entanto, o pedido do governo federal não foi acatado pela Justiça Federal.

Duas ações foram propostas, com pedido de liminar, visando a impedir e punir pessoas que venham a participar das paralisações dos caminhoneiros, com objetivo de ocupar, obstruir e/ou dificultar o trânsito de veículos em diversos trechos de rodovias situadas em Pernambuco.

A Justiça Federal de Pernambuco (JFPE), no entanto, entendeu ser desnecessária ordem judicial para atuação das forças policiais - Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal e demais órgãos competentes - contra a greve dos caminhoneiros.

Os pedidos de liminar ajuizados pela União contra a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística e outros foram indeferidos, ou seja, negados pelo magistrado plantonista, Allan Endry Veras Ferreira.

Bloqueios proibidos pelo Brasil

Segundo a pasta de Infraestrutura, os interditos representam elemento de reforço "para que as forças de segurança trabalhem na manutenção da ordem, uma vez que o Estado deve garantir a livre circulação de pessoas, serviços e mercadorias essenciais para o País".

Até o momento, estão contemplados os estados:

  • Rio de Janeiro;
  • São Paulo;
  • Mato Grosso do Sul;
  • Santa Catarina;
  • Minas Gerais;
  • Rio Grande do Sul;
  • Espírito Santo;
  • Paraná;
  • Pará;
  • Bahia;
  • Mato Grosso;
  • Rio Grande do Norte;
  • Alagoas;
  • Paraíba;
  • Maranhão;
  • Tocantins;
  • Goiás;
  • Amazonas;
  • Piauí;
  • Rondônia.

Ainda segundo a pasta, as forças de segurança estão a postos para manter a ordem e a fluidez em todo o País.

O monitoramento da situação a tempo real será coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio do CICCN - Centro Integrado de Comando e Controle Nacional.

Reivindicações dos caminhoneiros 

A disparada no preço do óleo diesel, que voltou a subir na semana passada, aumentou a insatisfação dos caminhoneiros, que também discutem outras pautas.

A agenda do setor contém, ao todo, 14 itens, com destaque para temas como a constitucionalidade do piso mínimo de frete; uma nova política de preços da Petrobras; aposentadoria especial e maior fiscalização nas rodovias.

Mais Lidas