RODA VIVA

VÍDEO: Wagner Moura fala sobre ataques sofridos pelo filme Marighella: 'não tenho medo dessa gente porque eles são covardes'

O filme dirigido por Wagner Moura sobre Carlos Marighella estreia nos cinemas brasileiros no próximo dia 4 de novembro

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 02/11/2021 às 13:51
Reprodução/ YouTube Roda Viva
FOTO: Reprodução/ YouTube Roda Viva
Leitura:

O ator e diretor Wagner Moura falou, durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, desta segunda-feira (1º), sobre o seu filme "Marighella", que conta a história do guerrilheiro brasileiro durante a ditadura militar. O longa dirigido por Wagner Moura chega às telonas no próximo dia 4 de novembro, data em que completa 52 anos da morte de Carlos Marighella.

Mesmo sem ter sido lançado, a produção já acumula mais de 45 mil avaliações no site “IMDb”, agregador de filmes e séries. Com a enxurrada de avaliações, a maioria negativa, os internautas deram à obra a nota média de 3,6 - de um total de 10.

Além da campanha difamatória, o filme sobre a vida de Carlos Marighella, também sofreu boicotes promovidos pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). Wagner Moura falou sobre a situação. “Eu não tenho medo dessa gente porque eles são covardes. Eu acho o seguinte: fazer um filme sobre Marighella no Brasil de hoje faz parte de um enfrentamento do qual eu tenho muito orgulho de participar. E acho que nós precisamos fazer esse enfrentamento contra o fascismo. Os ataques foram todos. A questão com a Ancine é uma questão absolutamente clara para mim de censura", afirmou.

Veja:

  

Sobre o filme Marighella

O filme “Marighella” é baseado na biografia "Marighella: O guerrilheiro que incendiou o mundo", de Mário Magalhães, e o personagem principal é interpretado pelo cantor e ator Seu Jorge. Alvo de ataques de grupos de extrema direita, o longa conta a história desse personagem da história do Brasil que se tornou um guerrilheiro durante a ditadura militar do país.

Carlos Marighella morreu na noite de 4 de novembro de 1969, aos 57 anos, após ser surpreendido em uma emboscada, em São Paulo. Ele foi morto a tiros por agentes do DOPS.

Mais Lidas