TRAGÉDIA

Entenda o caso do PM que matou ex-namorada e se suicidou em crime que chocou Pernambuco

Veja a linha do tempo e novos detalhes sobre o caso

Fernanda Cysneiros
Fernanda Cysneiros
Publicado em 19/05/2022 às 12:23 | Atualizado em 19/05/2022 às 12:31
Notícia
Reprodução
PM mata ex-namorada e se suicida em seguida em Caruaru, Agreste de Pernambuco - FOTO: Reprodução
Leitura:

Um caso trágico assustou profundamente os moradores de Pernambuco na última quarta-feira (18).

Um policial militar de 23 anos matou a ex-namorada de 21 anos e cometeu suicídio em seguida na manhã de ontem (18) no bairro de Indianápolis, Caruaru, Agreste de Pernambuco.

O policial militar foi identificado como integrante do Biesp, Alef David da Silva, e a vítima, como Débora Siqueira de Arruda.

De acordo com a Polícia, o casal enfrentava um processo de separação conturbado, porque Alef não aceitava o fim do relacionamento.

POLICIAL MATA EX NAMORADA

Segundo informações repassadas pela Polícia Civil, após uma madrugada de trabalho, o agente Alef se dirigiu até a casa da ex-namorada por volta das 7 horas da manhã de ontem (18).

Nesse momento, o casal começou a discutir e, então, Alef atingiu Débora com um tiro.

Após matar a jovem, o policial cometeu suicídio.

A arma do crime era a mesma utilizada pelo PM no trabalho, e ambos morreram com um único disparo.

"Ele trabalhou a noite toda e chegou na residência dela - eles moravam juntos e teve uma separação recente - tudo indica que eles tiveram uma discussão e infelizmente ocorreu essa tragédia", contou o delegado Eric Costa, chefe da 3ª Divisão de Homicídios do Agreste.

Como foi citado, Alef e Débora estavam passando por um processo de separação, mas o PM não aceitava o fim do relacionamento.

A mãe de Débora estava morando com a filha atualmente, porque seu marido havia falecido.

Mas no momento do crime ela não estava em casa.

AMEAÇAS

Alef e Débora ficaram juntos por, aproximadamente, um ano e recentemente haviam se separado.

Ainda de acordo com o delegado Eric, o fim do relacionamento de Alef e Débora vinha sendo de muitas brigas e discussões

Em entrevista à TV Jornal na manhã desta quinta-feira (19), a mãe de Débora contou que a filha estava sofrendo ameaças.

"Eles namoraram por um ano, e ele era muito obcecado por ela. Era  muito "amor" eu acho. Não sei que amor doentio era esse, que chegou a esse ponto de tirar a vida da minha filha. Mas hoje ela descansou", disse abalada.

Além disso, testemunhas que preferiram não se identificar contaram que a jovem tinha medo que algo ruim acontecesse.

"Ela sempre estava triste e insatisfeita nas redes sociais. Eu percebia que era um relacionamento conturbado, porque ela vinha sofrendo ameaças", contou. 

FAMÍLIA 

Assim que soube do ocorrido, a mãe de Débora foi até a residência.

Desesperada, precisou ser consolada por outras pessoas.

A jovem de 21 anos estava estudando Direito, o curso de seus sonhos, e estava prestes a se formar no fim deste ano. 

"Minha filha era especial. Ela não era só minha filha, ela era minha amiga. Uma menina exemplar, que tinha um brilho diferente, ela tinha que fazer a diferença aqui, mas os dias dela aqui foram cessados, infelizmente", contou.

Alef estava na Polícia Militar há pouco tempo, e o pai dele também é da corporação. 

ENTERRO

Os corpos foram periciados pelo IC – Instituto de Criminalística - e, em seguida, foram encaminhados para o IML local.

O corpo de Débora foi sepultado na manhã desta quinta-feira (19) por volta das 11 horas em Caruaru. 

Em entrevista, a mãe da vítima enviou um recado para a mãe do policial:

"A dor que ela está sentindo eu estou sentindo também. Eu também lamento tudo isso, porque nós jamais esperávamos por uma tragédia dessa. Que Deus abençoe a vida dela e que dê forcas a ela como esta me dando", desabafou.

 

Comentários

Mais Lidas