DENúNCIA

Familiares de pacientes denunciam descaso no Hospital Otávio de Freitas e MPPE faz vistoria

Uma audiência foi marcada para tomar as medidas cabíveis

Familiares de pacientes denunciam descaso no Hospital Otávio de Freitas e MPPE faz vistoria

O Ministério Público fez uma vistoria no local na quarta-feira (04) - Foto: Cortesia

Com informações de Marcela Maranhão

Por conta da superlotação, ausência de leitos, pacientes alojados em áreas proibidas, presença de animais e falta de climatização nos ambientes, familiares de pessoas que estão internadas no Hospital Otávio de Freitas, localizado na Zona Oeste do Recife, se queixam das dificuldades que estão enfrentando. Após as denúncias, o Ministério Público fez uma vistoria no local na quarta-feira (04).

De acordo com a promotora de Justiça de Defesa da Saúde, Helena Capela, cirurgias chegaram a ser canceladas por falta de materiais.

>>Vídeo mostra cobra dentro do Hospital Otávio de Freitas, no Recife

>>Clima de medo no Hospital Otávio de Freitas por causa de escorpiões

 

Nota do MPPE

Após identificar, em vistoria realizada ontem (4/3), a situação de superlotação e precariedade nas dependências do Hospital Otávio de Freitas (HOF), no Recife, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) agendou uma audiência, na próxima quarta-feira (11/3), às 14 horas, para ouvir o secretário estadual de Saúde e o diretor do HOF. A reunião será realizada na sede das Promotorias de Justiça da Capital, na Avenida Visconde de Suassuna, Santo Amaro.

Nota do hospital Otávio de Freitas

Em nota, A direção do hospital esclarece que nas últimas semanas, a unidade já iniciou trabalho de manutenção e reparo no setor de pneumologia e outras enfermarias, com troca de pisos, portas e outras restaurações estruturais. Em relação a acomodação dos pacientes, apesar da grande demanda, todos os pacientes admitidos no serviço são acomodados em macas tradicionais. Já a cobrança para realização de procedimentos, a direção da unidade diz que cobrar por consulta, exame ou vaga é crime e o fato deve ser denunciado aos órgãos competentes ou à secretaria estadual de saúde, via ouvidoria, pelo 0800.286.2828.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.