entrevista

Imunidade contra o coronavírus? Vacina da Rússia pronta? Médica faz alertas

Apesar do retorno de várias atividades, a pandemia do novo coronavírus ainda não acabou e é preciso seguir os protocolos de segurança

Robert Sarmento
Robert Sarmento
Publicado em 12/08/2020 às 19:18
Robson Valverde/SES-SC
FOTO: Robson Valverde/SES-SC
Leitura:

Os primeiros casos do novo coroanvírus foram registrados em Pernambuco há cinco meses. Até esta quarta-feira (12), o Estado teve 107.375 pessoas infectadas e 7.049 mortes. Mesmo com várias atividades não essenciais tendo retomado o funcionamento e a liberação de vários locais de lazer, como as praias, a pandemia não está perto de acabar, e é preciso seguir os protocolos de segurança para evitar uma segundo onda do novo coronavírus.

>>Coronavírus: 5 meses após 1° registro, secretário considera que "situação ainda é preocupante"

‘’As pessoas que tiveram a doença não estão imunes. Em relação a outros coronavírus, há uma imunidade transitória por pelo menos três meses. Então, a gente não sabe de forma aprofundada qual a participação da imunidade humoral, mediada por anticorpos, como a celular, mediada por células, e nem o tempo de imunidade que pode ser deixada depois da infecção’’, explicou a infectologista, Vera Magalhães.

Vacina russa contra o coronavírus

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou que o país se tornou o primeiro a registrar oficialmente uma vacina contra o coronavírus (covid-19) e declará-la pronta para uso. De acordo com a infectologista, Vera Magalhães, é preciso esperar o encerramento dos testes para afirmar se a vacina cura as pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

>>Sem água ou saneamento, moradores de palafitas do Recife têm maior risco de contágio pelo coronavírus

‘’Existem várias vacinas que são promissoras: a da Universidade de Oxford, a chinesa, e a da Rússia pode ser promissora, mas não temos os dados apresentados, até o momento, e a gente só pode dizer a efetividade da vacina após o término da terceira fase, que está se iniciando’’, completou.

Queda dos números

Com 90 dias de redução nos indicadores da pandemia do novo coronavírus, o Recife coloca em prática um plano de convivência com a reabertura segura de várias atividades. O prefeito Geraldo Julio fez um balanço de todo o trabalho realizado pela Prefeitura do Recife nesses mais de 150 dias de enfrentamento ao novo coronavírus agradeceu a população pelo isolamento social e aos profissionais envolvidos no enfrentamento da pandemia.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

+VÍDEOS