DEPRESSãO NA INFâNCIA

Cerca de 5% das crianças de 6 a 12 anos sofrem de depressão

TV Jornal

-Reprodução/TV Jornal

Na quarta-feira (15), no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife, um garoto de 9 anos foi encontrado desacordado no quintal de casa onde morava com a família. Segundo a Polícia Militar (PM), ele foi visto pela mãe com um fio no pescoço, que estaria preso em uma árvore. O menino chegou a ser socorrido, mas não resistiu e morreu nesta quinta-feira (16).

Segundo a perita Magda Pedrosa, as investigações apontam para duas hipóteses, sendo uma delas a do suicídio. "As duas hipóteses levantadas são de morte acidental ou de suicídio, no entanto, é precoce afirmar porque a perícia ainda está em andamento.", contou a perita do Instituto de Criminalística (IC).

O caso levanta a discussão sobre depressão na infância. De acordo com o psiquiatra Edésio Lira, cerca de 5% das crianças com idade entre 6 a 12 anos, sofrem com o transtorno mental. "Os sinais de depressão não são iguais a de uma adulto, tem características mais peculiares", contou o médico.

Entre os sintomas, a fácil irritabilidade, choro fácil, descuido com a higiene, isolamento, baixo rendimento escolar, pesadelos, são os mais comuns. A mudança repentina no comportamento da criança é o principal alerta para os pais procurarem ajuda médica. "Pais e professores precisam ficar alerta a esses sinais para encaminhar para os psicólogos e psiquiatras da infância para ter o devido cuidado", indicou Edésio Lira.

O caso

Um garoto de 9 anos foi encontrado desacordado no quintal de casa onde morava com a família, nessa quarta-feira (15), no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife. O garoto foi encontrado pela mãe com um fio no pescoço, que estaria preso em uma árvore.

A criança foi socorrida pela mãe para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) dos Torrões e, em seguida, foi transferida para um hospital particular na Ilha do Leite, onde faleceu. Ainda de acordo com a PM, uma perícia foi realizada no quintal onde o garoto foi encontrado.

A polícia ainda não sabe se a criança cometeu suicídio ou se foi vítima de um acidente doméstico. A advogada e amiga da família, Yeda Barbosa, afirmou que o garoto gostava de interagir nas redes sociais e teria, inclusive, um canal no YouTube. Ela acredita em acidente doméstico, mas não descarta a possibilidade da criança ter sido vítima do jogo Baleia Azul ou algo semelhante.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.