PANDEMIA

Nise Yamaguchi acredita que protocolo para uso da cloroquina pode ‘’salvar vidas’’ e explica como diagnosticar casos leves do coronavírus

A médica imunologista falou sobre o documento com orientações do Ministério da Saúde para pacientes com sintomas leves do coronavírus


Nise Yamaguchi acredita que protocolo para uso da cloroquina pode ‘’salvar vidas’’ e explica como diagnosticar casos leves do coronavírus

Eficácia do uso da cloroquina para tratamento de pacientes com o novo coronavírus ainda precisa de comprovação científica - Foto: Pixabay e TV Jornal

O Ministério da Saúde divulgou um documento ampliando a possibilidade de uso da cloroquina para pacientes com sintomas leves do novo coronavírus. Antes, o medicamento era indicado só para os casos graves da doença. Em entrevista ao Por Dentro com Cardinot, nesta quarta-feira (20), a médica imunologista Nise Yamaguchi falou que o protocolo com as orientações sobre o remédio pode ‘’salvar vidas’’.

''Com certeza (vai salvar vidas). Conseguiram diminuir a internação em mais de 85% da vezes, fazendo os tratamentos corretos. Se você ler a bula de qualquer uma remédio, tem que colocar tudo para uso por mais de um ano, dois anos. Esse  remédio (cloroquina) vai ser usado por cinco dias e vai ser dado de graça pelo Ministério da Saúde e vai ser de acesso a todos os níveis da população. A ideia é que seja disponibilizado imediatamente e que se busque as maneira de produzir e entregar as medicações’’, afirmou Nise Yamaguchi.

Como identificar casos leves e graves?

A medida do Ministério da Saúde pode se aplicar à hidroxicloroquina, que é um derivado da cloroquina e tem as mesmas propriedades, mas com toxicidade atenuada. A médica imunologista também explicou como é feita a avaliação e diagnóstico dos casos leves da covid-19.

‘’Começa ter sinal de falta de sensibilidade nasal e também não sente o paladar doce e salgado, em ¼ do pacientes. Essas pessoas podem começar a tomar a medicação (cloroquina) por cinco dias e, quando começa a ter tosse, é importante fazer uma tomografia porque a tosse é um caso que pode ser mais grave. Além de tomar os cinco dias, siga com os médicos de alguma maneira’', completou.  

>>>Governador Paulo Câmara testa positivo para o coronavírus<<<

>>>Vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos, testa positivo para coronavírus<<<

>>>Secretário de Saúde de Pernambuco e chefe de gabinete do governador testam positivo para coronavírus<<<

Receita

Para evitar a compra do medicamento por pessoas que não precisam, a orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a partir de agora, é que a receita fique retida, em farmácias e drogarias. 

Os farmacêuticos também estão obrigados a anotar todas as entradas e saídas do remédio do estoque, além de registrar os dados dos compradores.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Quais são os sintomas?

Os sintomas da COVID-19 podem variar de um simples resfriado até uma pneumonia severa. Sendo os sintomas mais comuns:

  • Tosse;
  • Febre;
  • Coriza; 
  • Dor de garganta;
  • Dificuldade para respirar.

Como é transmitido?

A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de: 

  • Toque do aperto de mão;
  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Objetos ou superfícies contaminadas, como celulares, mesas, maçanetas, brinquedos, teclados de computador etc.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização;
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes;
  • Ficar em casa quando estiver doente;
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência;
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.