Prisão

Suspeito de atear fogo e matar ex-esposa é preso no Cabo de Santo Agostinho

A vítima morreu carbonizada dentro da própria casa. Familiares estão inconformados com crime

ISABEL CRISTINA ARAUJO DO NASCIMENTO
ISABEL CRISTINA ARAUJO DO NASCIMENTO
Publicado em 12/08/2019 às 16:32
Reprodução/TV Jornal
FOTO: Reprodução/TV Jornal
Leitura:

Na última sexta-feira (09), um crime chocou os moradores em Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho. Maria Juliana Barbosa, de 35 anos, foi encontrada morta carbonizada dentro da própria casa.

Segundo informações seu ex-companheiro seria o principal suspeito de ter cometido o crime, ele já teria agredido a vítima anteriormente, e estaria inconformado com a separação do casamento dos dois, que durou 6 anos.

De acordo com a Polícia Militar depois que Josemir Fonseca da Silva, conhecido como Almir, foi encontrado pela equipe do 18° batalhão, precisou ser socorrido pois estava com queimaduras pelo corpo. Do hospital Dom Helder no cabo de Santo Agostinho, Josemir foi transferido para o Hospital da Restauração,no Recife. Ele é o principal supeito de estrangular e atear fogo na ex-mulher Maria Juliana Batista.

>>>Mulher morre em incêndio dentro de casa em Ponte dos Carvalhos<<<

>>>Feminicídio: IML libera corpo da mulher morta carbonizada no Cabo<<<

O crime gerou revolta nos moradores do bairro de Ponte dos Carvalhos onde Juliana morava, ela era muita querida pelos vizinhos, e muitos deles ainda tentaram apagar as chamas na casa durante o incêndio.

Enquanto o suspeito do crime recebia cuidados médico em casa, a família da vítima estava no Instituto de Medicina Legal (IML), fazendo a liberação do corpo. A notícia de que o ex-marido de Juliana foi preso não aliviou as dores dos parentes.

Nota da Polícia Civil de Pernambuco:

A Polícia Civil informa que instaurou inquérito policial e está investigando o caso. O ex-marido da vítima foi preso, suspeito de cometer o crime. Ele está sob custódia no Hospital da Restauração e, assim que receber alta médica, seguirá para audiência de custódia. O delegado Caio Morais, da 14ªDPH, é quem está à frente do caso.

+VÍDEOS