PANDEMIA

Após juiz presenciar superlotação nas UTIs, Secretaria de Saúde diz que vagas se renovam 'a cada hora'


Em nota, a Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES-PE) informa que a lista de vagas monitorada pela Central Estadual de Regulação de Leitos é extremamente dinâmica

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 27/05/2020 às 15:32
Leo Motta/JC Imagem
FOTO: Leo Motta/JC Imagem
Leitura:

Após o juiz da 7ª vara da Fazenda Pública, Luiz Rocha, presenciar a superlotação nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em um hospital de campanha, em Boa Viagem, na Zona Sul, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE), informou, nesta quarta-feira (27), através de nota, que a Central Estadual de Regulação de Leitos é responsável por definir o encaminhamento de pacientes aos estabelecimentos de saúde vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS), em diversas especialidades médicas, para os procedimentos de urgência e emergência. E que, mesmo diante da pandemia do novo coronavírus, os encaminhamentos para as unidades referenciadas continuam sendo realizados.

A nota diz ainda que a lista de vagas monitorada pela Central Estadual de Regulação de Leitos é extremamente dinâmica e a oferta de leitos de terapia intensiva se renova a cada hora, seguindo as classificações de risco para acompanhamento dos casos e que segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no final de 2019, aponta que Pernambuco tem a 8ª melhor proporção de respiradores por habitantes do país e mais de 75% destes aparelhos estão na rede pública. A SES-PE relatou ainda que, desde o início da pandemia, o Governo do Estado não tem medido esforços para ampliar a rede de enfrentamento à covid-19.

Problema crônico

O juiz afirma que a procura por uma unidade de tratamento intensivo no Estado é um problema crônico e não é de agora com a pandemia.

>>Coronavírus: Juiz faz inspeção em UPA no Recife e revela descaso com a saúde pública

Nota da SES-PE na íntegra

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que a Central Estadual de Regulação de Leitos é responsável por definir o encaminhamento de pacientes aos estabelecimentos de saúde vinculados ao sistema único de saúde (sus), em diversas especialidades médicas, para os procedimentos de urgência/emergência. E que, mesmo diante da pandemia, os encaminhamentos para as unidades referenciadas continuam sendo realizados, garantido a assistência hospitalar aos pacientes com quadro clínico mais crítico, como gestantes, pacientes cardiopatas ou neurológicos.

E importante destacar que a lista de vagas monitorada pela central estadual de regulação de leitos é extremamente dinâmica e a oferta de leitos de terapia intensiva se renova a cada hora, seguindo as classificações de risco para acompanhamento dos casos. A priorização das transferências é realizada a partir da discussão técnica entre o médico solicitante e o médico regulador, levando em consideração, primeiramente, a gravidade do caso, a estrutura disponível e a qualidade do suporte clínico nas unidades de saúde onde cada paciente se encontra.

Levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no final de 2019, aponta que pernambuco tem a 8ª melhor proporção de respiradores por habitantes do país e mais de 75% destes aparelhos estão na rede pública. Isto proporciona que no estado, que já tem uma das maiores redes públicas estaduais do país, todas as upas e emergências hospitalares estaduais tenham uma estrutura de suporte à vida com capacidade de atendimento e estabilização aos casos mais graves, com pontos de oxigênio e respiradores disponíveis. Sendo assim, os pacientes que aguardam vaga de UTI são acompanhados e recebem assistência médica adequada até a transferência ser efetuada.

Desde o início da pandemia, o governo do estado não tem medido esforços para ampliar a rede de enfrentamento à covid-19. com um cronograma permanente de abertura de leitos, já foram criados pela gestão estadual, mais de 1.377 vagas exclusivas para a doença, sendo 614 leitos de uti. Os percentuais de ocupação das vagas são atualizados, diariamente, pela SES-PE em boletim enviado para a imprensa e disponibilizado nos canais de comunicação e informação do governo de pernambuco. antes da pandemia, a Rede Estadual de Saúde de Pernambuco já contava com 1.018 vagas de UTI, entre leitos próprios e contratualizados junto à rede credenciada.

De acordo com levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM), divulgado no final de 2018, o estado está entre os 10 do país que atendem as recomendações de proporção de leitos de uti para a população, ocupando o primeiro lugar no norte/nordeste. De acordo com a associação de medicina intensiva brasileira, a proporção ideal é de 1 a 3 leitos de uti na rede pública para cada 10 mil habitantes usuários do sus. Em Pernambuco, esta proporção é de 1,09, acima de bahia, ceará, rio de janeiro, santa catarina e distrito federal. vale destacar, ainda, que pernambuco possui uma das maiores redes públicas próprias do brasil e do nordeste.

Para ampliar a capacidade de atendimento, em abril, a Central Estadual de Regulação de Leitos, que registrou um aumento de mais de 300% nas solicitações de internamento, passou a funcionar nos auditórios do Centro de Convenções de Pernambuco (cecon-pe), em Olinda. Além do aumento da área física, foram contratados 141 novos profissionais, sendo 64 enfermeiras, 63 médicos e 14 teleatendentes para realizar o cadastramento de informações básicas. Com isso, subiu para 230 o número de profissionais na regulação.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

+VÍDEOS