DRAMA

Gestante denuncia que pode ter perdido bebê após tomar vacina da Astrazeneca em Camaragibe, no Grande Recife

Anlliz Souza, de 26 anos, diz ainda ter sido orientada pela maternidade de Camaragibe a levar o feto do bebê para casa


Gestante denuncia que pode ter perdido bebê após tomar vacina da Astrazeneca em Camaragibe, no Grande Recife

No dia em que foi vacinada, Anlliz diz ter sentido febre e dores no corpo. - Foto: Reprodução/TV Jornal

Uma matéria exibida no programa O Povo na TV desta quinta-feira (27), da TV Jornal, mostrou o drama da dona de casa Anlliz Adriane Souza, de 26 anos. Ela engravidou pela primeira vez aos 17 anos, mas perdeu o bebê após um aborto espontâneo. Aos 22 anos, Anlliz chegou a dar a luz a um menino, que morreu com um 1 ano e 2 meses de idade, por causa de problemas cardíacos. 

>>>Ministério da Saúde cria nova regra para grávidas que receberam a vacina da Oxford/AstraZeneca; veja o que fazer

>>>'Se confirmada a variante do coronavírus em Pernambuco, pediremos ajuda ao Governo Federal', diz secretário

Neste ano, a dona de casa, que está desempregada, viveu a alegria da terceira gestação. No dia 8 de maio já eram quase 4 meses de gravidez e Anlliz decidiu se imunizar contra a covid-19, tendo recebido a vacina da AstraZeneca, em um posto de saúde. 

A aplicação foi feita dois dias antes da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspender o uso da AstraZeneca em grávidas e puérperas. No mesmo dia em que foi vacinada, Anlliz diz ter sentido febre e dor no corpo e, quatro dias depois, no dia 12 de maio, notou um sangramento. Por isso, procurou o Centro Médico de Especialidades (CEMEC) Vera Cruz, no bairro de Aldeia, em Camaragibe, mas segundo ela, não recebeu atendimento médico.

>>>Após orientação da Anvisa, vacina da AstraZeneca é suspensa para grávidas em Pernambuco e outros estados

Ainda nesse mesmo dia, a dona de casa disse ter procurado a maternidade da cidade de Camaragibe, onde conseguiu ser atendida. "Ela (a médica) fez um toque e disse que o colo do útero estava fechado, e não conseguiu escutar o meu bebê. Fiz exame de urina e me foi receitado dipirona. Depois, fui me pediram para ir para casa e voltar no outro dia", contou a dona de casa.

Ela voltou à maternidade no dia seguinte e foi internada. Anlliz soube da morte do bebê por meio de uma ultrassom e foi submetida ao abordo induzido. A alta só foi dada no dia 15 de maio. "Para uma mãe, é muito desumano isso. É o terceiro filho que eu perco", lamentou Anlliz, em entrevista à TV Jornal.

O feto permaneceu no hospital. No dia 17, Anlliz contou que voltou à maternidade e lá teria sido orientada a levar o feto para casa, apenas com uma requisição para o laboratório. "Tive que coletar sangue mas já tinha passado da hora. Fiquei andando para cima e para baixo por Camaragibe, com o feto na mão, mesmo de resguardo", disse a dona de casa. 

Delegacia

A dona de casa registrou uma queixa na Delegacia de Camaragibe, que vai investigar o caso. De acordo com o diretor da maternidade, Jardel Soares, a equipe se deparou com uma situação inédita, já que a dona de casa suspeita que perdeu o bebê após a vacina. Segundo ele, a paciente se responsabilizou em levar o feto ao laboratório indicado depois de assinar um documento.

O feto foi recolhido e encaminhado para análise no Laboratório Central de Pernambuco (Lacem) no dia 19 de maio, cumprindo as determinações do programa estadual de imunizações. De acordo com a obstetra Nélida Cavalcanti, as reações à vacina são normais. Ela pede que as gestantes sigam confiando na imunização.

Nota na íntegra

O Programa Estadual de Imunizações (PNI-PE) informa que foi notificado do caso na última segunda-feira (17/05) e esclarece que não é possível relacionar a ocorrência do aborto com a imunização da gestante, que estava na 15ª semana de gravidez, final do quarto mês de gestação.

Importante frisar que a investigação do caso obedece a critérios e compreende diversas fases e o processo é realizado pela secretaria municipal de saúde, envolvendo profissionais da assistência e da vigilância epidemiológica a fim de investigar os precedentes obstétricos da paciente.

O PNI-PE lembra, ainda, que está suspensa, desde o dia 11 de maio, a imunização das grávidas e puérperas contra a Covid-19 com a vacina da Astrazeneca/Fiocruz no Estado.

Sobre o caso, o PNI-PE tomou todas as providências necessárias, orientando a maternidade quanto aos encaminhamentos e condutas técnicas. Na quarta-feira (19/05) foram entregues amostras de material biológico e enviadas ao Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE), que deve analisar o material para seguir com as investigações.

Nota da Polícia Civil na íntegra

A Polícia Civil está investigando uma ocorrência registrada na tarde do dia (20), na Delegacia de Camaragibe. A noticiante afirma que estava gestante de 20 semanas e no dia (12), procurou atendimento médico em uma unidade de saúde daquela cidade, com perda de líquido uterino, não tendo sido atendida a contento e na manhã do dia (13), após um exame ficou constatado a morte do feto. As investigações seguirão até a completa elucidação do ocorrido.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.