TORCEDOR

Pedrosa pedirá anulação do julgamento do caso Lucas Lyra

TV Jornal | Com informações do JC Online

-Bobby Fabisak/JC Imagem

Três meses depois do julgamento de José Carlos Feitosa Barreto, condenado a oito anos de prisão pelo disparo que atingiu o alvirrubro Lucas Lyra, a empresa de ônibus Pedrosa apresentou um laudo pericial alegando que o segurança não foi o responsável pela bala que acertou o torcedor do Náutico na nuca.

De acordo com o advogado João Vieira Neto, a empresa enviará um protocolo para oficializar um pedido de anulação do julgamento, nesta quinta-feira (29). 

Reprodução Simulada

A Pedrosa solicitou a reprodução simulada do vídeo do confronto entre torcidas do dia 16 de fevereiro de 2013 para fazer uma perícia, o que não havia acontecido até o julgamento. Nas imagens, o advogado argumenta que é possível observar que José Carlos não foi o autor do disparo.

"A identificação foi feita em razão das vestimentas, e foi possível identificar as pessoas que estavam lá naquele momento. Facilmente identificamos que José Carlos não é aquela pessoa do disparo que atingiu Lucas Lyra. Nós solicitamos perante o poder judiciário a reprodução simulada, que de fato não foi apreciada pelo poder judiciário e por conta disso ficamos prejudicados. Em razão da dúvida que foi levantada pelo Ministério Público, quanto à autoria imediata daquele caso, após a condenação, solicitamos a perícia, que não teria sido feita pela autoridade policial, não teria sido feita a perícia na pessoa do Lucas Lyra, em razão das circunstâncias de atendimento hospitalar. O próximo passo é apresentar esse laudo junto ao Tribunal de Justiça de Pernambuco para que reveja a decisão", esclareceu o advogado.

Após o julgamento, a Pedrosa contratou o perito criminal Adamastor Nunes para analisar o vídeo. O profissional disse que, a princípio, a qualidade das imagens cedidas pela Secretaria de Defesa Social (SDS) estava comprometida, e a partir de um clareamento do vídeo, foi possível analisar o confronto entre as torcidas de Sport e Náutico. "Lucas estava posicionado de frente para José Carlos. Então, a bala não poderia ter atingido a nuca dele. Até porque, se Lucas tentasse fazer qualquer movimento, a velocidade do projétil é tão rápida, que seria impossível. Quem disparou estava em uma posição compatível com a linha da nuca", afirmou.

Confira:

História

Lucas tinha ido assistir a um jogo do time do coração, quando, segundo as investigações, o segurança de uma empresa de ônibus, José Carlos Feitosa Barreto, que estava à paisana, sacou uma arma e disparou contra a cabeça dele que. A partir daí, o jovem por várias cirurgias para tentar se recuperar.

As sequelas do atentado ficaram no corpo de Lucas: todo o lado esquerdo está paralisado, a audição está comprometida e ele tem dificuldade para enxergar. Para realizar atividades básicas, como beber água, ele precisa de ajuda. Mesmo tomando 17 remédios diariamente, Lucas reclama que ainda sente muitas dores.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.