DESCASO

Funcionários do HGV protestam e pedem interdição total de prédio


Segundo os profissionais do hospital, não há condições de continuar trabalhando. A estrutura apresenta riscos de desabamento

Gustavo Henrique Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Publicado em 04/12/2019 às 12:00
Jailton Junior / JC Imagem
FOTO: Jailton Junior / JC Imagem
Leitura:

Durante a manhã desta quarta-feira (4), profissionais da saúde do Hospital Getúlio Vargas (HGV) se reuniram na entrada do prédio para protestar contra a falta de estrutura da unidade, que foi parcialmente interditada pela SDS, por apresentar riscos de desabamento.

>> Após estalos no HGV, funcionários relatam trabalhar com medo

>> Hospital Getúlio Vargas é interditado após estalo nas instalações

>> Enfermeiros denunciam descaso no Hospital Getúlio Vargas

Às 9h, o grupo de 50 pessoas interrompeu o trânsito na Avenida General San Martin, na Zona Oeste do Recife, para chamar a atenção da direção do hospital e também do Governo do Estado. Segundo os profissionais, não há condições de continuar trabalhando no prédio.

Interdição

Parte do bloco G, onde funcionam quatro salas de cirurgia, laboratório, oito consultórios e o ambulatório, foi interditada. No entanto, de acordo com o Sindicato dos Técnicos de Enfermagem de Pernambuco, as equipes querem a interdição total do bloco G.

Em protesto pelas condições na estrutura, técnicos de enfermagem cruzaram os braços, hoje pela manhã. Ainda de acordo com o sindicato, no próximo dia 10, já está agendada uma audiência pública com o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) para tratar do caso.

Segundo os funcionários, nenhuma cirurgia foi realizada no Hospital Getúlio Vargas, durante a manhã de hoje (4). O diretor do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, Mário Jorge Lobo, garantiu que é preciso que o governo se posicione de maneira efetiva para resolver essa situação.