INTERDIÇÃO

Bloco do HGV é totalmente interditado e pacientes são transferidos


Todo o bloco G, onde ficam as salas de cirurgia, recuperação, ambulatórios e consultórios, está fechado

Gustavo Henrique Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Publicado em 05/12/2019 às 12:00
Reprodução/Google Street View
FOTO: Reprodução/Google Street View
Leitura:

Os enfermeiros e técnicos de enfermagem do Hospital Getúlio Vargas (HGV) foram proibidos de trabalhar, em três blocos da unidade, que fica no Cordeiro, na Zona Oeste do Recife. A decisão foi tomada pelo Conselho Regional de Enfermagem, que, por meio de uma interdição ética dos serviços de enfermagem, fechou parte do prédio, na noite dessa quarta-feira (4).

A estrutura do hospital apresenta riscos de desabamento. Todo o bloco G, onde ficam as salas de cirurgia, recuperação, ambulatórios e consultórios, foi fechado. As cirurgias que estavam marcadas foram suspensas. Alguns pacientes foram transferidos para outros hospitais, no entanto, a grande maioria está esperando a reabertura do bloco cirúrgico.

>>>Funcionários do HGV protestam e pedem interdição total de prédio

>> Após estalos no HGV, funcionários relatam trabalhar com medo

>> Hospital Getúlio Vargas é interditado após estalo nas instalações

>> Enfermeiros denunciam descaso no Hospital Getúlio Vargas

Nova análise

Segundo a promotora de justiça do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Helena Capela, o prédio vai passar por uma nova análise nesta sexta-feira (6). Ela disse ainda que, se for necessário, já nesta sexta-feira, pode haver a interdição de outras áreas do hospital.

Números

De acordo com o Conselho Regional de Enfermagem (Coren), o HGV conta com 138 enfermeiros e 704 técnicos de enfermagem. No bloco G, trabalham cerca de 350 profissionais de ambas as funções. Eles foram relocados para outros setores do hospital.