CASO MIGUEL

Zelador diz que avisou à mãe de Miguel que alguém havia caído do prédio

Ex-síndico diz que não sabe como Miguel escalou parede de área onde caiu. Manicure que estava com patroa da mãe, na hora do acidente, deve ser intimada

Zelador diz que avisou à mãe de Miguel que alguém havia caído do prédio

Miguel tinha apenas 5 anos e, segundo a polícia, sua morte foi causada após negligência da patroa de sua mãe - Foto: Reprodução/ Redes Sociais

Pelo menos três testemunhas já prestaram depoimento na Delegacia de Santo Amaro, na área central do Recife, sobre a morte do menino Miguel Otávio, de 5 anos, que caiu do 9º andar de um prédio de luxo, no bairro de São José. Foram ouvidos o zelador e o ex-síndico do edifício de onde o menino caiu, além de um morador e o ex-síndico.

Ex-síndico

O ex-síndico do prédio de onde Miguel caiu, identificado como Carlos Nobre, prestou depoimento na tarde dessa quarta-feira (10), e foi ouvido durante quase duas horas. Na saída, o ex-síndico afirmou que o prédio atende todas as normas exigidas de segurança. Carlos também disse que não sabe como o Miguel conseguiu escalar a parede para ter acesso à área de onde caiu.

>> Ex-síndico de prédio afirma que local onde Miguel subiu antes de morrer ‘’está de acordo com as normas’’

Zelador

Já o depoimento do zelador do prédio durou quase uma hora. Apesar do funcionário não gravar entrevista, ele contou que estava próximo à portaria do prédio, quando ouviu um barulho de queda. Foi ele também quem avisou à mãe do menino que alguém havia caído de uma das janelas.

>> Caso Miguel: Zelador de prédio presta depoimento em delegacia no Recife

Outros depoimentos

A expectativa agora é para outros dois depoimentos. Um deles é o da manicure, que estava no apartamento no dia do acidente. A mulher já foi localizada e deve ser intimada, nos próximos dias.

O outro depoimento esperado é o da patroa da mãe de Miguel, Sarí Gaspar Corte Real, autuada em flagrante, por homicídio culposo. No dia do acidente, ela preferiu ficar em silêncio, mas, de acordo com o advogado dela, agora ela está pronta para falar.

>> Caso Miguel: Advogado de Sarí vai à delegacia no Recife para acompanhar inquérito

>> Veja na íntegra a entrevista do advogado de Sarí Corte Real, patroa da mãe de Miguel

>> Caso Miguel: Nome de Sarí é cadastrado para solicitar auxílio emergencial

>> Caso Miguel: "O delegado ainda não conhece a versão dela", diz advogado de patroa

Carta em resposta

Depois da Sarí ter enviado para a imprensa, na semana passada, uma carta pedindo perdão para a mãe de Miguel, Mirtes respondeu com uma carta, nessa quarta-feira (10).

Ela começa o documento dizendo que não recebeu qualquer pedido de desculpas, e que o mesmo foi dirigido à imprensa. Segundo ela, isso é uma prova de que a preocupação de Sarí é com a opinião pública, em um ano de eleição.

Mirtes reitera que a patroa tratou Miguel como se não tivesse valor apenas por ser o “filho da empregada”. Ela ainda diz que perdoar Sarí seria matar Miguel novamente.

>> "Aplicação de uma pena será libertadora, abrandará o meu sofrimento", diz mãe de Miguel sobre Sarí

>> "Essa carta não chegou a mim, chegou à mídia", fala mãe de Miguel sobre carta da patroa

>> Caso Miguel: TCE investiga possíveis irregularidades na Prefeitura de Tamandaré

O caso

Miguel era filho de Mirtes Renata Santana de Souza, empregada doméstica de um dos apartamentos do Condomínio Píer Maurício de Nassau, também conhecido como Torres Gêmeas, no bairro de Santo Antônio, área central do Recife.

A patroa dela, Sarí Côrte Real, esposa do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB), foi presa em flagrante, indiciada por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), e liberada após pagamento de fiança de R$ 20 mil.

O fato aconteceu na tarde da terça-feira (2), quando Sarí mandou Mirtes passear o cachorro da família e se responsabilizou por olhar o garoto. 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.