REMéDIO

Dexametasona: remédio com resultados promissores contra coronavírus é de baixo custo

Segundo o estudo, a dexametasona pode ajudar pacientes com quadros severos de coronavírus

Dexametasona: remédio com resultados promissores contra coronavírus é de baixo custo

A dexametasona tem efeito anti-inflamatório e é de baixo custo - Foto: Pixabay

Um estudo feito por pesquisadores britânicos apontou que a Dexametasona pode aumentar a sobrevida em pacientes que evoluem para a forma grave da infecção do novo coronavírus. A boa notícia é que, além de apresentar resultados promissores, o remédio anti-inflamatório tem baixo custo. O comprimido do corticoide dexametasona custa, em média, menos de R$ 1 nas farmácias. Pela internet, a TV Jornal encontrou o remédio sendo vendido entre R$ 10,43 e R$ 6,54, a cada com 10 comprimidos.

Resultados sólidos

O corticoide dexametasona é capaz de reduzir a mortalidade em um terço nas pessoas que precisam do respirador mecânico, segundo anunciaram, nesta terça-feira (16), os responsáveis do ensaio clínico Recovery – o mesmo estudo que concluiu que a hidroxicloroquina não tem efeito benéfico contra o novo coronavírus. Segundo os responsáveis pelo estudo, para cada grupo de oito pacientes submetidos à ventilação artificial, uma morte foi evitada, graças ao uso do corticoide dexametasona. Confira mais sobre o estudo AQUI.

De acordo com o médico infectologista, Felipe Proraska, o medicamento apresentou resultados sólidos em pacientes com coronavírus. "Pela primeira vez, (o estudo) começa a dar dados sólidos, com resultados muito bons. Há cinco dias mostrou que hidroxicloroquina não trazia efeitos (contra o coronavírus)’’, afirmou o médico, explicando que o dexametasona é indicado para os pacientes que precisam de oxigênio.

Apenas para casos específicos

Em Pernambuco, essa medicação já é utilizada nos hospitais públicos e privados, nos casos mais severos do coronavírus, em que há indicação. Porém, ainda segundo o infectologista, o remédio não é indicado para todos os pacientes e pode trazer efeitos deletérios. ‘’É importante dizer que não serve para todo mundo. O uso inadequado, na dose errada e no momento errado vai trazer mais efeitos deletérios do que benefícios. Então, se deve evitar o uso (da dexametasona) fora da unidade hospitalar’’, completou o médico infectologista Felipe Proraska.  

OMS ainda não se pronunciou sobre medicamento

Ao tomar conhecimento dos resultados, a Organização Mundial de Saúde (OMS) celebrou o avanço científico. “É uma boa notícia e felicito o governo britânico, a Universidade de Oxford e os numerosos hospitais e pacientes no Reino Unido que contribuíram com esse avanço que salva vidas”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.