COVID-19

São João: Fogueiras podem aumentar risco dos pacientes que se recuperam do coronavírus

Neste ano, fogueiras não poderão ser acesas

São João: Fogueiras podem aumentar risco dos pacientes que se recuperam do coronavírus

Fogueiras não poderão ser acesas - Foto: Pixabay

Este ano por conta da pandemia, o São João será sem fogos e fogueiras. Devido a isso, é importante que essa determinação seja cumprida por causa dos pacientes que se recuperam do novo coronavírus em casa e também para que as pessoas que tem problemas respiratórios não precisem ir para as unidades de saúde. De acordo com especialistas, a dificuldade respiratória provocada pela fumaça pode funcionar como uma porta de entrada para diversas infecções, inclusive para o coronavírus.

>>Fogueiras de São João podem aumentar risco de contrair coronavírus

Em entrevista à TV Jornal na manhã desta terça-feira (23), o pneumologista Blancard Torres informou que a fumaça dos fogos e fogueiras faz mal para toda a sociedade. "A fumaça é um tóxico emana várias substâncias muito letais. Ela adentra o nosso sistema respiratório e o que causa processos inflamatórios muitas vezes agudo. Ao respirar essa fumaça que entra e não adianta você fechar porta e janela, você vai ficar suscetível, principalmente as pessoas que são portadoras de doenças crônicas. Aspirou aquela fumaça com certeza vai adoecer. Vale lembrar também que, as pessoas que estão se recuperando da covid-19 se espirarem a fumaça vão piorar com certeza. O desconforto respiratório é um problema grave.", afirmou o pneumologista.

Além disso, o especialista relatou que nessa época do ano chega a aumentar o número de pessoas que procuram o hospital. "Muitas vezes até 50% da população chega a procurar hospitais. As urgências ficam lotadas principalmente crianças e adultos", disse.

>>Veja como denunciar uso de fogueiras ou fogos de artifício em Olinda

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.