PANDEMIA

Recife chega perto de alcançar estabilização dos casos do coronavírus, aponta pesquisa


Pesquisa é feita pelas universidades federais de Pernambuco, Sergipe e Paraná

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 22/07/2020 às 11:30
ALEXANDRE GONDM/JC IMAGEM
FOTO: ALEXANDRE GONDM/JC IMAGEM
Leitura:

Uma pesquisa realizada pelas Universidades Federais de Pernambuco, Sergipe e do Paraná indicou que Recife está perto de alcançar a estabilização dos casos do novo coronavírus. De acordo com os pesquisadores das universidades, a cidade já passou pela pior fase da pandemia e está próximo o final dela.

>>Ivermectina será testada contra coronavírus em Pernambuco

Análise

Ainda segundo os pesquisadores, para chegar a conclusão dessa informação eles analisaram as curvas de contágio mês a mês.

Cuidados

Apesar de estarem otimistas, isso não quer dizer que a população deve relaxar, por exemplo, saindo na rua sem a máscara para comemorar. Caso isso ocorra, como o coronavírus se prolifera rapidamente, o risco é muito alto para retornar o aumento nos casos e também no número de mortes. Ainda de acordo com o estudo, um dos motivos para esse rápido controle no Recife, foram as ações de isolamento social.

Belém

Além de Recife, a cidade de Belém também segue perto da estabilização dos casos.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.