DENÚNCIA

Familiares de menino que morreu prestam queixa contra médico de UPA

A família denuncia que o médico foi negligente ao atender o garoto de 5 anos

Familiares de menino que morreu prestam queixa contra médico de UPA

Familiares denunciam negligência médica na morte da criança - Foto: Cortesia

A família do garoto Samuel Francisco dos Santos voltou nesta segunda-feira à UPA de Engenho Velho, em Jaboatão dos Guararapes, para procurar saber mais informações sobre o médico que atendeu a criança. Os parentes também foram até a Delegacia de Cavaleiro para prestar uma queixa contra médico e contra o Estado. 

>>>Menino de 5 anos morre após escorregar e cair no quintal de casa em Jaboatão

Acidente e denúncia

O acidente aconteceu na última quarta-feira (19). Samuel, de 5 anos, estava tomando banho no quintal com uma irmã mais velha, quando escorregou e caiu no chão. Com dores no braço, o menino foi levado para a UPA, mas, segundo a família, foi negligenciado no atendimento. A mãe de Samuel denuncia que o médico do plantão foi negligente. Ela contou que após a criança tomar o medicamento, foi liberado para casa. Na manhã seguinte, antes de sair para trabalhar, o padrasto acordou a criança e conversou com ele. Porém, por volta das 10h, a irmã mais velha entrou no quarto da criança e percebeu que ele já estava sem vida. Foi então, que desesperada, ela avisou a uma vizinha, que ligou para o trabalho da mãe, dona Roseane.

 

Nota da Upa

A família levou a criança à UPA seis horas após o acidente. O atendimento prestado à criança ocorreu de acordo com a queixa relatada pela família: trauma e dor no braço esquerdo.

Não foi realizada raio-x na cabeça porque a família não relatou que a criança havia batido a cabeça.

O raio-x da UPA está operante.

Nota do hospital

Sobre a denúncia de negligência médica na UPA de Engenho Velho, a assessoria da unidade de saúde informou que a criança foi levada ao local 6h após o acidente e que o atendimento prestado foi feito de acordo com a queixa relatada pela família: dor no braço esquerdo.

Nota da Secretaria de Defesa Social

A Secretaria de Defesa Social informou que a orientação dos policiais para os pais da criança estava correta, porque o Instituo de Medicina Legal (IML) só é acionado em caso de mortes violentas e não em caso de acidentes.

no quarto. De acordo com a família, a polícia civil e o IML não foram ao local e o corpo só foi retirado por uma funeraria no final da tarde.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.