OUÇAM MIRTES

Caso Miguel: campanha para marcar 3 meses da morte do garoto é lançada hoje

Esta terça-feira (2) marca três meses da morte de Miguel Otávio Santana da Silva

Caso Miguel: campanha para marcar 3 meses da morte do garoto é lançada hoje

Miguel tinha apenas 5 anos e, segundo a polícia, sua morte foi causada após negligência da patroa de sua mãe - Foto: Reprodução/ Redes Sociais

 

A campanha "Ouçam Mirtes, mãe de Miguel" será lançada nesta terça-feira (2), às 18h, durante uma live no Facebook da articulação negra de Pernambuco. 

>>>"Não vai reparar a dor que sinto pela perda do meu filho", diz mãe de Miguel sobre possível indenização

>>Polêmica, tumulto e espera da mãe de Miguel: tudo o que aconteceu durante depoimento de Sarí no Recife

>>>Criança de 5 anos morre após cair de prédio na área central do Recife

>>Caso Miguel: Noite de lembranças e muita emoção durante missa de 30 dias

Artistas nacionais e locais, como Lia de Itamaracá, militantes, advogados e familiares de Mirtes Renata, mãe do garoto Miguel, se uniram para cobrar justiça e organizaram a ação.  Entre as integrantes da campanha estão Erika Januza, Mariana Ximenes e Angélica. Elas participam de um vídeo usando blusas com frases ditas por Mirtes.

View this post on Instagram

Acompanhe também pela página do Facebook da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco! #Repost @articulacaonegrape #JustiçaPorMiguel . Dia dois. Vamos ecoar. Não descansaremos. . Artistas, militantes, ativistas, advogados e familiares se unem em uma campanha para amplificar a voz de Mirtes Souza, mãe do menino Miguel. . Miguel morreu no dia 2 de junho após cair do nono andar de um prédio em Recife. A ex-patroa da mãe dele, Sarí Corte Real, foi indiciada por abandono de incapaz seguido de morte. Há o temor de que o poder financeiro e a influência política de Sarí influenciem no julgamento do caso. . Justiça precisa ser feira e Sarí precisa ser responsabilizada pelo seu crime. Responsabilizada em todas as instâncias: criminal, civil e trabalhista. . Dia 02 de setembro, às 18h, no facebook da ANEPE (Articulação Negra de Pernambuco). . Ouçam Mirtes, mãe de Miguel. @lutopormiguelofficial @mirtesrenata

A post shared by Rede de Mulheres Negras PE (@redemulheresnegraspe) on

Hoje fazem exatamente 3 meses da morte de Miguel Otávio Santana da Silva, que morreu aos 5 anos, após cair de um prédio de luxo localizado na área central do Recife.

Sarí Corte Real, ex-patroa de Mirtes e primeira dama da cidade de Tamandaré, foi denunciada pela polícia e pelo Ministério Público por abandono de incapaz seguido de morte. 

Vídeo

O vídeo da campanha será disponibilizado nas redes sociais e foi realizado conjuntamente pela Articulação Negra de Pernambuco, Mana Bernardes e a família de Miguel, em parceria com o Gabinete Assessoria Jurídica Organizações Populares (Gajop), o Coletivo Negritude do Audiovisual em Pernambuco e outros movimentos sociais.

“A forma como a vida de Miguel foi ceifada é mais um exemplo das consequências das profundas desigualdades que marcam o Brasil. Todas as pessoas precisam pensar sobre isso e se posicionar”, defende Mônica Oliveira, da Articulação Negra de Pernambuco (Anepe).

Nesta quarta, às 18h, o facebook da Anepe transmite uma live de lançamento da campanha com a participação de Mirtes e apoiadores.

Julgamento

Enquanto Sarí Corte Real aguarda o julgamento (que ainda não tem data marcada) em liberdade, a defesa da primeira-dama de Tamandaré recebeu o prazo de 10 dias para responder às acusações após o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) cumprir o mandado de citação enviado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE).

>>Câmera de segurança mostra criança que caiu de prédio dentro de elevador momentos antes de morrer

>>Após morte de Miguel, Alepe aprova projeto de lei que proíbe criança sozinha em elevador

De acordo com o TJPE, o mandado de citação foi cumprido em 17 de agosto e o juiz José Renato Bizerra deve analisar a defesa de Sari, podendo decretar sua absolvição ou iniciar a fase de instrução do processo. Se condenada, Sarí Corte Real pode pegar 4 a 12 anos de prisão. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.