LEVANTAMENTO

Pesquisa revela que desemprego em Pernambuco aumenta pelo quarto mês consecutivo

Dados são da PNAD Covid do mês de agosto e foram divulgados nesta quarta-feira (23)

Pesquisa revela que desemprego em Pernambuco aumenta pelo quarto mês consecutivo

PNAD foi divulgada nesta quarta-feira (23) - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em Pernambuco divulgou, na manhã desta quarta-feira (23), os dados da PNAD Covid do mês de agosto.

>>>Covid-19: testagem modelo drive-thru é iniciada nesta terça (22)

>>>PE: Casos de síndrome rara associada à covid-19 em crianças aumentam

O levantamento, realizado com apoio do Ministério da Saúde, identifica os impactos da pandemia no mercado de trabalho. Foi constatado na pesquisa que a taxa de desocupação/ desemprego em Pernambuco aumentou pelo quarto mês seguido. 

Em agosto, o índice chegou a 15,3%, contra 13,5% em julho, 12,6% em junho e 10,5% em maio. Segundo a pesquisa, 574 mil pessoas estavam desempregadas e buscaram ativamente um emprego, mas não encontraram no mês passado, uma variação de 50,2% em relação a maio, primeiro mês da pesquisa, quando 382 mil pessoas estavam nessa situação.

Por outro lado, o número de pessoas ocupadas no estado parou de cair no mês passado. Em julho, eram 3 milhões e 153 mil e, em agosto, esse número passou para 3 milhões e 177 mil pessoas, um discreto aumento de 24 mil trabalhadores. Ao mesmo tempo, houve uma diminuição na população fora da força de trabalho (que não estavam trabalhando nem procuravam por trabalho) em Pernambuco que gostariam de trabalhar, mas não conseguiram procurar emprego por causa da pandemia de Covid-19 ou por falta de oportunidade na região em que vivem. Em agosto, eram pouco mais de 1 milhão de pessoas; em julho, esse número chegava a 1 milhão e 219 mil pessoas.

Estado que menos testa

Em Pernambuco, 558 mil pessoas, ou 5,8% da população, fez algum teste para detectar Covid-19 do início da pandemia até o mês de agosto, deixando o estado pelo segundo mês consecutivo como o que menos fez testes, proporcionalmente, em todo o país. Em seguida, estão o Acre, com 6% da população testada, e Minas Gerais, com 6,1%. Ainda assim, a PNAD Covid detectou que 164 mil pessoas a mais disseram ter realizado algum tipo de testagem relacionada ao novo coronavírus no estado em comparação a julho, quando o percentual foi de 4,1%. O mesmo ocorreu a nível nacional - no Brasil, 8,5% das pessoas fizeram teste para detectar o vírus, contra 6,3% no mesmo período, já que todos os estados conseguiram aumentar seu percentual de realização de testes.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
Evitar contato próximo com pessoas doentes.
Ficar em casa quando estiver doente.
Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.