PANDEMIA

Covid-19: Mortes e ocupação de leitos voltam a aumentar em Pernambuco


O Estado chegou a reativar 184 leitos, nos últimos dias, incluindo UTI e enfermaria. Mas, ainda assim, as taxas de ocupação permanecem altas

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 01/12/2020 às 12:26
AMAZÔNIA REAL
FOTO: AMAZÔNIA REAL
Leitura:

O número de mortes pela novo coronavírus (covid-19) voltou a subir, em Pernambuco, e a ocupação dos leitos para tratamento da doença também avançou, na rede pública de saúde, e já chega a 84%.

O mês de novembro teve 410 mortes confirmadas laboratorialmente, 34 a mais do que outubro, pondo fim a uma tendência de queda, que vinha desde junho.

>> Covid-19: média dos últimos sete dias é de 521 mortes, segundo Fiocruz

Investimento

Diante da alta de casos, o Estado solicitou ao Governo Federal a prorrogação de custeio da manutenção de 317 leitos de UTI voltados a pacientes com suspeita ou confirmação do novo coronavírus.

A continuidade do financiamento dessas vagas conta com um investimento de mais de R$ 15 milhões, para nove municípios.

>> Pela segunda vez, ex-senador Armando Monteiro é diagnosticado com covid-19

Outras cidades

Além da capital, o recurso vai para Olinda, Jaboatão e Cabo de Santo de Agostinho, na Região Metropolitana, Caruaru e Garanhuns, no Agreste, e Arcoverde, Araripina e Serra Talhada, no Sertão.

Para a prorrogação, a taxa de ocupação dos leitos deve ser superior a 50% das vagas no plano de contingência para a pandemia. No caso de Pernambuco, este índice se mantém maior que 80%, desde a primeira quinzena de novembro.

>> Caruaru cancela programação de Natal e Réveillon em 2020 devido à covid-19

Reativação dos leitos

O Estado chegou a reativar 184 leitos, nos últimos dias, incluindo UTI e enfermaria. Mas, ainda assim, as taxas de ocupação permanecem altas.

Nessa segunda (30), 84% dos 829 leitos estavam com pacientes e 66% dos 806 leitos de enfermaria estavam ocupados.

O Governo do Estado, no entanto, prefere classificar essa alta apenas como uma oscilação. Por outro lado, reforçam a necessidade da população de precaver mais.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.