SAúDE

Por que, mesmo com a vacina, as pessoas podem ser infectadas pela covid-19? Médica explica

É possível apresentar ou não os sintomas (leves ou graves) da covid-19, e são necessárias duas doses da vacina

Por que, mesmo com a vacina, as pessoas podem ser infectadas pela covid-19? Médica explica

Vacina contra a covid-19 é aplicada no braço da pessoa - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil Saúde

Apesar de aos poucos a população tomar as duas doses vacina contra a covid-19, que ainda está atendendo os grupos prioritários como idosos e profissionais de saúde, o risco da pessoa ter o vírus no corpo ainda existe, de acordo com a infectologista, Milena Pinheiro. Em entrevista à repórter Juliana Oliveira, nesta segunda-feira (05), a médica revelou que a proteção é de 50% a 70%. Caso a pessoa adoeça, a probabilidade de ter a covid-19 com sintomas leves e não graves é maior do que sem tomar a vacina. 

''Para as vacinas que temos disponíveis, a gente considera a pessoa com a imunização realmente efetiva depois de 15 dias da segunda dose. Se a pessoa tiver com algum sintoma, ela não deve tomar a vacina. É preciso fazer o exame, descartar que é covid-19 e depois poder tomar a vacina'', afirmou a infectologista à TV Jornal.

Ainda de acordo com a médica, quando for tomar a vacina é necessário saber se tem ou não o vírus da covid-19 no organismo. Vale lembrar que existem as pessoas sintomáticas (que apresentam sintomas leves ou graves) e assintomáticas (no qual os sintomas não são revelados). Nessa segunda situação, a vacina contra a covid-19 pode não surgir o efeito esperado. 

> Vacinas, medidas preventivas e variantes: Especialistas tiram dúvidas sobre a covid-19

''O que a gente entende é que, caso a pessoa tenha o vírus de maneira assintomática e tome a vacina, ela pode desenvolver alguma reação mais grade. É como se exacerbasse os sintomas da vacinação ou da doença'', concluiu a infectologista Milena Pinheiro. Confira a entrevista na íntegra no vídeo abaixo:

Como escapar do golpe da 'vacina de vento'?

Desde o início da vacinação contra a covid-19, em todo o Brasil, diversos relatos, vídeos e denúncias mostram o golpe da "vacina de vento". O que era para ser um momento de alívio e esperança, torna-se uma situação estressante e desanimadora. Seja por descuido do profissional de saúde, ou por má fé, os casos aconteceram e é preciso ficar atento na hora de se vacinar. Muitos acabam percebendo a falha (ou ato proposital) apenas quando chegam em casa, ao ver vídeos do instante da imunização.

> Covid-19: Brasil tem semana com mais mortes desde o início da pandemia

> Covid-19: Pernambuco registra 709 novos casos e 44 mortes nesta segunda (5)

De acordo com especialistas ouvidos pela reportagem do SBT, a melhor medida para evitar a falsa aplicação é prestar muita atenção quando a injeção é feita, além de, se possível, gravar tudo. Um familiar ou acompanhante pode ajudar nessa missão, com o objetivo de produzir provas caso a aplicação seja falsa. Clique e saiba mais

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

> Novo plano de convivência com a covid-19 começa a valer em PE e vários setores voltam a funcionar

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscra cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.