DESCASO

No Recife, Rua do Imperador é retrato da vulnerabilidade social e esquecimento por parte do governo

A rua está repleta de lonas plásticas, que servem como barracas, montadas por pessoas que não têm para onde ir


No Recife, Rua do Imperador é retrato da vulnerabilidade social e esquecimento por parte do governo

A alimentação para essas pessoas em situação de rua só é garantida com a entrega de marmitas feitas por diversos grupos solidários.  - Foto: Reprodução/TV Jornal

A falta de moradia é um problema muito sério no Recife, uma realidade que pode ser vista em vários pontos da cidade. No centro da capital pernambucana, as ruas históricas se transformaram em abrigo. Papelão e lonas plásticas tomam conta das calçadas, e é debaixo delas que vivem diversas famílias, que já não têm para onde ir.

Rua do Imperador

A Rua do Imperador, uma das mais tradicionais ruas do centro da capital, por exemplo, está repleta de lonas, que servem como barracas, montadas por várias pessoas em situação de rua. Muitos dos que vivem nessa situação, lutam pela sobrevivência, diante do frio e da fome.

Relatos

Em imagens feitas pela TV Jornal, um ajudante de pedreiro, de 52 anos, só tem papelão e uma lona pendurada para se abrigar da chuva, com os animais de estimação. Em conversa com a equipe de reportagem, ele diz morar no local, desde que perdeu a própria casa, em um deslizamento. (Confira no vídeo abaixo)

Uma dona de casa, com os dois filhos pequenos, também enfrenta a mesma situação e mora na rua. Ela ganha pouco mais de R$ 200, com o Bolsa Família das crianças, mas o dinheiro não é suficiente para pagar um aluguel. Na Rua do Imperador, quando escurece, o número de pessoas em busca de abrigo é ainda maior. A alimentação só é garantida com a entrega de marmitas feitas por diversos grupos solidários. 

 

>> Pandemia agrava crise e ruas são tomadas por apelos por comida e emprego; veja como ajudar

Pichações

As pichações por toda parte também aumentam sensação de abandono da Rua do Imperador. A população tem medo de passar pelo local, devido à insegurança e abandono.

Políticas públicas

Especialistas apontam que a explicação para essa dura realidade nas ruas está na falta de políticas públicas em municípios e estados, já que o problema atinge todo o país. A situação foi agravada diante da crise econômica e da pandemia do novo coronavírus, que geraram a descontinuidade de auxílios e programas de moradia.

Mudança de cenário é possível

De acordo com a cientista política Priscila Lapa, é possível mudar o cenário, mas, para isso, os gestores teriam que dar a devida importância ao problema, e permitir que essas pessoas tenham condições de gerar a própria renda.

>> Desemprego e fome provocados pela pandemia da covid-19 contribuem para degradação do Centro do Recife

Audiência pública

Logo mais, às 15h, acontece uma audiência pública na Câmara Municipal do Recife para discutir e propor soluções à população em situação de rua. Além de vereadores, participam o encontro representantes do Ministério Público, Secretaria de Assistência Social do Recife e membros de organizações não governamentais.

Prefeitura do Recife

Por meio de nota, a Prefeitura do Recife disse que, diariamente, envia equipes à Rua do Imperador para acompanhar os moradores e ofertar serviços de acolhimento, entre eles a opção do abrigo, que é frequentemente recusada pelas pessoas.

Ainda de acordo com a Prefeitura, algumas pessoas possuem residência fixa e outras têm acesso ao aluguel social. No entanto, marmitas e itens de higiene continuam sendo entregues aos moradores.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.