LUTO

Caso Patrícia Roberta: 'Queria ter trazido ela com vida. A dor nossa é grande', diz pai da jovem pernambucana


No sepultamento de Patrícia Roberta, houve muita comoção por parte de parentes e da população do município

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 30/04/2021 às 13:05
Reprodução/TV Jornal Interior
FOTO: Reprodução/TV Jornal Interior
Leitura:

Durante o enterro da jovem Patrícia Roberta, de 22 anos, no início da noite dessa quinta-feira (29), no Cemitério Dom Bosco, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, o pai dela, Paulo Roberto, que estava bastante abalado, concedeu entrevista à TV Jornal Interior e relatou que foi em busca da filha, até o último momento.

"Eu fui em busca de salvar minha filha, quando eu tive informação, já tardio, mas fui em busca. Queria ter trazido ela com vida, mas não consegui. A dor nossa é grande, como também a de vocês. A justiça de Deus foi feita, a dos homens, aqui, também", expressou o pai de Patrícia.

No sepultamento, houve muita comoção por parte de parentes e da população do município. A mãe da vítima, que estava bastante emocionada, também concedeu entrevista à TV Jornal interior.

"Liguei para ela no sábado, por vídeo chamada. Ela estava muito triste, disse que ele havia deixado ela trancada sozinha em casa. Quando ela não me respondeu mais, pensei que algo estava acontecendo. Investiguem mais. Tem mais coisa no meio", disse Vera Lúcia, chorando muito.

Laudo da morte

O laudo da morte de Patrícia foi divulgado na tarde dessa quinta-feira (29). O documento mostra a causa como "morte a determinar". Ainda não há detalhes, porque a polícia pediu sigilo durante as investigações do caso. O laudo deve ser concluído em 10 dias. Inicialmente, a polícia trabalha com a possibilidade de que a jovem teria sido morta por asfixia mecânica, por esganadura.

Prisão preventiva

O tatuador Jonatan Henrique dos Santos, de 23 anos, suspeito de assassinar a jovem pernambucana Patrícia Roberta teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva, na tarde da quarta-feira (28). A decisão foi tomada na audiência de custódia, e homologada por Virgínia de Lima Fernandes, juíza da Vara de Execução de Penas Alternativas de João Pessoa.

>> Caso Patrícia Roberta: Suspeito de matar jovem pernambucana diz 'não se lembrar bem' do que aconteceu

O desaparecimento de Patrícia Roberta

A jovem de 22 anos identificada como Patrícia Roberta Gomes da Silva foi encontrada morta nessa terça-feira (27). Segundo a família, Patrícia saiu de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, na sexta-feira (23), por volta das 17h, para encontrar um suposto amigo em João Pessoa, capital da Paraíba. O último contato da jovem com os pais foi às 12h do domingo.

Patrícia havia informado aos familiares que retornaria na segunda-feira (26), mas os pais acharam estranho a falta de contato da jovem, desde o domingo (25), já que eles se falavam sempre, desde que a jovem saiu de casa, na sexta-feira (23).

Estudam juntos há mais de 10 anos

Segundo a mãe da garota, ela e o amigo que havia ido visitar estudam juntos há mais de dez anos, em um colégio de Caruaru. Desde que o garoto se mudou para João Pessoa, eles mantinham contato apenas pelas redes sociais. Em entrevista ao NE10 Interior, a prima de Patrícia, Karen Melo, disse que, na última semana, a jovem havia falado com ela pedindo ajuda para comprar uma passagem de ônibus, e informou à família que ia viajar para João Pessoa. Na última mensagem trocada com a mãe, Patrícia Roberta diz que o amigo comprou as passagens para voltar com ela a Caruaru.

Entenda o caso

A jovem Patrícia Roberta, de 22 anos, que foi encontrada morta nesta terça-feira (27), tinha viajado de sua cidade natal, Caruaru, no Agreste de Pernambuco, para encontrar um suposto amigo na cidade de João Pessoa, na Paraíba. Ao SBT, a mãe de Patrícia relatou que os dois se conheciam há mais de 10 anos, porque haviam estudado juntos no colégio, em Caruaru.

O rapaz, que é o principal suspeito pelo desparecimento, teria insistido para que a jovem fosse a João Pessoa encontrá-lo. Patrícia conversava com a mãe por mensagens e chegou a relatar que estava triste durante uma chamada de vídeo. A mãe mantinha contato com a filha durante o dia e em uma das conversas a jovem disse "eu só quero ir pra casa", porque estaria trancada dentro do apartamento onde estava hospedada.

Momentos antes de deixar de falar com a mãe por mensagem no dia em que desapareceu, Patrícia disse que o amigo voltaria com ela para Caruaru. "Eu falei com ele por mensagem e ele me disse assim: eu já coloquei ela no ônibus. Depois ele disse que na verdade chamou um Uber para levar ela, depois disse que foi um colega que chamou, então ele está em contradição", contou a mãe.