OPERAÇÃO

Polícia Federal deflagra operação que apura desvio de recursos do SUS em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco

É a segunda fase da Operação Desmame, em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 20/05/2021 às 9:28
Divulgação/Polícia Federal
FOTO: Divulgação/Polícia Federal
Leitura:

Na manhã desta quinta-feira (20), a Polícia Federal (PF) deflagrou a segunda fase da Operação Desmame, em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco. A ação visa a combater uma organização responsável por desvios de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) destinados à cidade. Além disso, os alvos da operação também são suspeitos de crimes como fraudes em licitações e lavagem de capitais.

Ao todo, a ação, que é coordenada pela Delegacia de Combate à Corrupção e Crimes Financeiros, e conta com a atuação de 22 policiais, cumpre quatro mandados de busca e apreensão, em dez endereços, no Recife e Timbaúba. As ordens judiciais foram expedidas pela 25ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Goiana.

Fraude

Segundo a Polícia Federal, entre 2013 e 2016, houve fraude nos processos licitatórios realizados pela administração municipal para aquisição de medicamentos e materiais odontológicos e hospitalares com recursos destinados ao SUS.

Ainda de acordo com a corporação, inicialmente, verificou-se que seis das sete licitações realizadas para atender a rede de saúde de Timbaúba foram vencidas pela mesma empresa, que teria apresentado proposta com preços até 50% inferiores aos preços de referência contidos nos editais de publicação dos certames e impraticáveis no mercado do ramo, angariando o montante de R$ 7.916.744,00.

Além disso, por meio da análise das licitações, foram identificados vários indícios de direcionamento e de fraude ao caráter competitivo nas disputas.

>> Operação da Polícia Federal prende suspeitos de fraudes no auxílio emergencial em Pernambuco

Ligação de empresa com políticos

Segundo a PF, foram encontrados diversos vínculos entre a empresa contratada com indícios de fraudes e políticos do município, como a existência de movimentações financeiras milionárias entre empresas do grupo econômico de um dos políticos envolvidos e a distribuidora de medicamentos contratada pela Prefeitura de Timbaúba.

Após a deflagração da primeira fase da operação, em fevereiro de 2021, diz a PF, foi possível robustecer os elementos de prova, fortalecendo os indícios de utilização de “laranjas” para fins de ocultação das vantagens ilícitas obtidas pela organização criminosa, em prejuízo aos recursos públicos destinados à saúde.

>> Após roubar R$ 4 milhões de cliente no Recife, advogado é preso durante operação da PF

Crimes

Os envolvidos irão responder pelos crimes de fraude à licitação, falsidade ideológica, peculato, lavagem de capitais e organização criminosa, a depender do grau de participação nos fatos apurados.

+VÍDEOS