SOLIDARIEDADE

"Ainda bem que existem essas doações", diz catadora ao receber cesta básica do IJCPM no Recife


Desde o início da pandemia mais de 43 mil cestas já foram distribuídas pelo IJCPM para moradores do Pina e de Brasília Teimosa

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 16/06/2021 às 14:00
YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
FOTO: YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Nessa terça-feira (15), a catadora Jacilda Araújo Leite, de 72 anos, foi uma das pessoas que recebeu uma cesta básica do Instituto JCPM de Compromisso Social. Nas quatro cidades em que a instituição atua (Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju) serão entregues, somente este mês, 3.212 cestas, das quais 2.260 para famílias da capital pernambucana. A iniciativa do instituto mudou a realidade de muitas pessoas que perderam emprego e renda por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

"Cato latinhas mas está difícil porque os bares e a praia estão sem movimento. Se juntar uma sacola de latas, vendo por R$ 2 ou R$ 3. É pouco mas já garante o pão. Ainda bem que existem essas doações de cestas básicas, são muito importante pois a maioria das pessoas como eu está sem conseguir trabalhar", disse a catadora Jacilda.

O estudante Mateus Pedro da Silva, de 19 anos, também foi buscar uma cesta básica. Ele vende caldinhos na praia para ajudar em casa. Mora com a mãe na comunidade Beira-rio. "Conseguia ganhar entre R$ 1 mil e R$ 1.200 por mês. Mas o governo proibiu o comércio nas praias por causa da pandemia. Então a situação ficou complicada. A ajuda do IJCPM chegou em boa hora", destacou o jovem, aluno do 3º ano do ensino médio da Escola Estadual Assis Chateubriand, que fica em Brasília Teimosa.

Brasília teimosa

No Centro Escola Mangue, em Brasília Teimosa, foram entregues 50 cestas básicas. E mais 34 no Clube de Mães Criativas, no mesmo bairro. "Essa cesta e a sopa que distribuem todos os dias têm sido a salvação da gente", afirmou a cozinheira Edenilse Pereira, de 51, uma das que recebeu a feira na Escola Mangue.

IJCPM

Além de beneficiar as famílias mais carentes do Pina e Brasília Teimosa, a ação do IJCPM movimenta a economia local. "Os itens das cestas básicas são comprados dos pequenos comerciantes dos dois bairros", explicou a coordenadora de Desenvolvimento Social do instituto, Fábia Siqueira. Sobre a doação das cestas, ela destacou que "é muito gratificante pois são pessoas que realmente estão precisando. Muitas não têm qualquer expectativa de onde buscar alimentos pois estão sem trabalhar por causa da pandemia", comentou Fábia.

"Temos também a distribuição de cestas para os pequenos empreendedores locais que, recentemente, participaram do Fundo Social do IJCPM, onde contaram com apoio financeiro para retomar e garantir os próprios negócios. Mesmo com esse auxílio, ainda hoje é difícil se manter a partir da comercialização de itens diante da queda da renda da população em geral e da redução do fluxo de pessoas nas ruas, onde normalmente eles têm o seu faturamento. Diante disso, 427 famílias desse segmento foram incluídas para receber a doação das cestas também", informou Fábia.

Somando todo o período de pandemia até agora, o IJCPM já realizou a doação de 46.328 cestas, com aporte financeiro de R$ 3,717 milhões. Do total de cestas, no Recife, onde o Grupo JCPM tem sede, foram distribuídas 24.571; em Fortaleza foram outras 9.874; em Salvador a ação já beneficiou 8.685; e em Aracaju, 3.198 famílias.