Golpe

Alunos são informados de falência de empresa de formatura via internet e denunciam prejuízo

A empresa prejudicou estudantes em todo o estado de Pernambuco

Caterine Costa de Oliveira
Caterine Costa de Oliveira
Publicado em 27/09/2021 às 17:25 | Atualizado em 03/03/2022 às 9:23
Reprodução/TV Jornal
FOTO: Reprodução/TV Jornal
Leitura:

No Recife, o sonho da festa de formatura de vários estudantes virou caso de polícia. As turmas contrataram uma empresa, que, de repente, fechou as portas declarando falência. Na manhã desta segunda-feira (27), os alunos foram registrar a denúncia na Delegacia do Consumidor, no bairro de Santo Amaro, Centro do Recife.

Confira a reportagem exibida no TV Jornal Meio-Dia: 

A estudante Amanda Monteiro representa uma das turmas de estudantes que foram pegos de surpresa pelo fechamento da empresa de eventos, especializada em formaturas. O comunicado decretando falência foi publicado numa rede social na última sexta-feira (24), o que fez muita gente entrar em desespero.

A turma de Amanda é do curso de administração. A festa que deveria acontecer em Abril deste ano, devido à pandemia, estava prevista para o ano que vem. Mais de 100 mil reais já tinham sido repassados à empresa que fechou. 

A gente vê o sonho destruído de uma hora pra outra. E isso também era um sonho da nossa família"
Amanda Monteiro

>>>Golpe do correspondente bancário em Recife: trio suspeito é preso no Ceará

Ricardo é de uma turma do curso de direito de uma faculdade particular do Recife. O pacote fechado com a empresa incluía três eventos: culto ecumênico, aula da saudade e baile de formatura. Foram pagos cerca de 180 mil reais.

Cada aluno teve que desembolsar um pouco mais de 5 mil reais. Ele conta que tentou entrar em contato com os donos, mas até agora não conseguiu. "Cancelou todas comunicações com a gente. Todos os telefones eles bloquearam", contou.

>>>Correspondente bancário some com dinheiro de clientes em Olinda; vítimas estão desesperadas

Empresa terceirizada

No comunicado divulgado nas redes sociais, a empresa diz que não tem disponibilidade nenhuma de recursos para suprir a realização das atividades.

O gestor comercial Darlan Livingstone de uma empresa que era terceirizada pela instituição que fechou também procurou a delegacia. "Fomos surpreendidos tanto quanto as turmas ao final do nosso contrato, onde ficamos com um valor a ser recebido em torno de R$6 mil a R$11 mil".

+VÍDEOS