Vendedor que recebeu ajuda pede que parem de depositar dinheiro


A crise econômica no Brasil, por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19), deixou muita gente com dificuldade financeira. Com o vendedor de cachorro-quente Joaquim Antônio, conhecido como Barruada, não foi diferente. Ele vende lanches em frente ao Colégio Salesiano Recife, na Rua Dom Bosco, área central do Recife, há mais de 30 anos, e é muito popular. Solidariedade Barruada ficou sem renda, por causa da pandemia e usou as redes sociais para pedir ajuda financeira. Hoje, ele não só agradece, mas pede que as doações parem. Após o pedido de Barruada, alunos e ex-alunos, sobretudo do Salesiano, se juntaram e começaram a doar dinheiro para o vendedor. Nessa quarta-feira (20), começou a circular nas redes sociais o vídeo acima, no qual Barruada não só agradece a generosidade, como diz que já recebeu mais do que o suficiente. O ato de honestidade e gratidão comoveu a web.  "Aqui é Barruada, que pediu ajuda a vocês. A gente estava olhando a conta que vocês fizeram os depósitos, e queria que vocês parassem um pouco, por favor. O que vocês me ajudaram já da para eu vencer a batalha. Se eu precisar, eu peço de novo a vocês. Muito obrigado mesmo pela ajuda, vocês me ajudaram muito. Muito obrigado", agradeceu Joaquim Antônio, ou, para os que já tiveram o prazer de comer seu cachorro-quente, Barruada.