DOENÇA DA URINA PRETA

Síndrome de Haff: uma das irmãs recebe alta do hospital; a outra segue na UTI

As mulheres foram infectadas depois de comerem um peixe da espécie Arabaiana. A síndrome também é conhecida como doença da urina preta

Síndrome de Haff: uma das irmãs recebe alta do hospital; a outra segue na UTI

O infectologista Filipe Prohaska explicou o que é a doença. - Foto: Reprodução

Uma das irmãs que adquiriu síndrome de Haff (Doença da Urina Preta) após comer o peixe Arabaiana, espécie conhecida também como Olho de Boi, recebeu alta de um hospital particular do Recife. Trata-se de Flávia Andrade, de 36 anos, que ficou na enfermaria e foi liberada na manhã desta quarta-feira (24).

Já Pryscila Andrade, de 31 anos, segue na UTI. Porém, para alívio da família, a veterinária já apresenta melhora no quadro. As informações foram repassadas para a TV Jornal pela mãe das irmãs, Betânia Andrade. As queixas das pacientes eram de fortes dores musculares e urina de cor escura. Elas consumiram o peixe arabaiana no dia 18 de fevereiro.

Cuidados ao comprar peixe

segundo especialistas, o peixe deve ser transportado e armazenado entre menos 28 graus. E se você costuma comprar o produto na feira, tem que ficar atento, pois o peixe deve ficar no gelo para que a temperatura ideal seja mantida.

O caso

As duas irmãs adoeceram após comerem o peixe Arabaiana, espécie conhecida também como olho de boi. Uma delas está na UTI e a outra foi atendida na enfermaria de um hospital do Recife. Elas estão com a síndrome de Haff, também conhecida como doença da urina preta.

>>> Outros três casos de doença da urina preta são investigados em Pernambuco. 

>>> Veja como se prevenir da Síndrome de Haff (Doença da Urina Preta)

>>>Páscoa: Veja orientações para comprar o peixe em meio ao coronavírus

A síndrome é causada por uma toxina e provoca lesão muscular, além de afetar os rins. A mãe das duas mulheres, Betânia Andrade, concedeu entrevista ao programa Por Dentro com Cardinot, exibido nesta terça-feira (23), e fez um alerta para a população sobre o consumo do peixe.

"Muita gente não sabe, mas segundo o médico, vem do peixe essa toxina. Então queria dizer a todo mundo pra tomar cuidado. Minha filha está muito mal na UTI, a outra está no apartamento. Esse peixe está causando um mal muito grande a minha filha", declarou Betânia, emocionada. 

Assista

Especialista esclarece

Sobre a Síndrome de Haff, a reportagem do Por Dentro com Cardinot também conversou com o infectologista, Filipe Prohaska. O especialista deu detalhes e esclareceu acerca da doença. (veja no vídeo)

Doença de Haff

A doença de Haff é uma doença rara que acontece de forma repentina e que é caracterizada pela ruptura das células musculares, o que leva ao aparecimento de alguns sinais e sintomas como dor e rigidez muscular, dormência, falta de ar e urina preta, semelhante à café.

As causas da doença de Haff ainda são discutidas, no entanto acredita-se que o desenvolvimento da doença de Haff seja devido a alguma toxina biológica presente em peixes de água doce e crustáceos.

É importante que essa doença seja identificada e tratada rapidamente, isso porque a doença pode evoluir rapidamente e trazer complicações para a pessoa, como insuficiência renal, falência múltipla de órgãos e óbito, por exemplo.

Sintomas da doença de Haff

Os sintomas da doença de Haff surgem entre 2 a 24 horas após o consumo de peixe ou crustáceos bem cozidos, mas contaminados, e estão relacionados com a destruição das células musculares, sendo os principais:

  • Dor e rigidez nos músculos, que é muito forte e surge de repente;
  • Urina muito escura, marrom ou preta, semelhante à cor do café;
  • Dormência;
  • Perda da força;

Na presença desses sintomas, principalmente se for notado escurecimento da urina, é importante que a pessoa consulte um clínico geral para que seja possível avaliar os sintomas e realizar exames que ajudem a confirmar o diagnóstico.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.