GREVE NACIONAL

Pernambuco amanhece com protestos contra a reforma da Previdência

Diversos grupos realizam manifestações em todo Estado contra a reforma da Previdência

Pernambuco amanhece com protestos contra a reforma da Previdência

Um dos pontos de bloqueio é na BR-232, na cidade de São Caetano - Foto: Divulgação/PRF

JC Online

Os protestos que integram a greve nacional, nesta sexta-feira (14), já começaram. Na BR-101, em Igarassu, na Região Metropolitana do Recife (RMR), manifestantes bloquearam os dois sentidos da via desde as 3h50, quando colocaram entulhos na pista, deixando apenas uma faixa livre em cada sentido.

Por volta das 7h, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) retirou os materiais e liberou a via. Já no quilômetro 145 da BR-232, em São Caetano, no Agreste de Pernambuco, o trânsito também está bloqueado.

>> Confira as categorias que aderiram à greve

 

A greve

O objetivo dos atos é combater a reforma da Previdência. do Ministro Paulo Guedes, que teve seu relatório lido nessa quinta-feira (13), na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. Segundo os manifestantes, a reforma tirará direitos dos aposentados.

Em Recife, os manifestantes se concentrarão na Rua do Sol, no cruzamento da Rua do Sol com a Avenida Guararapes, no Centro da Cidade, a partir das 14h. De acordo com a organização do protesto, o ato contará com a participação de várias categorias de "trabalhadoras e trabalhadores, organizações de mulheres, estudantis, negros, LGBT e populares".

A mobilização foi convocada nos protestos contra o contingenciamento de recursos para as universidades e institutos federais feito pelo Ministério da Educação. Mais de 10 categorias aderiram ao ato, promovido por nove centrais sindicais.

Mudanças em benefícios

A exclusão das mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), na aposentadoria rural e do regime de capitalização eram os principais pontos questionados pela oposição e pelo movimento sindical. A retirada desses pontos também ganhou o apoio de líderes partidários favoráveis à reforma.

“Vamos fazer a greve e depois vamos avaliar os próximos passo da luta. O governo fez um movimento que aponta para minimizar as questões, mas a reforma é tão perniciosa que a gente precisa tratar a miudeza. A greve está mantida e é uma decisão nacional. Faremos uma grande greve”, disse Paulo Rocha, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-PE), após participar de reunião com movimentos sociais.

Ele também falou de uma instabilidade do governo. “Veja que o governo diz uma coisa de manhã, outra de meio-dia, outra de noite e outra de madrugada”, criticou Rocha.

Para o dirigente sindical, uma proposta de reforma tributária teria prioridade sobre as mudanças no sistema previdenciário, no momento. “O que a gente entende é que neste momento precisa ser feita uma reforma tributária para resolver as questões, inclusive, com rebatimento na questão da Previdência”, pontuou.

Também integram o movimento a Força Sindical de Pernambuco, a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Central Sindical e Popular Conlutas (CSP Conlutas), a Intersindical, Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), a Nova Central e a UGT (União Geral dos Trabalhadores).

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.