TRAGéDIA

Polícia prende suspeito de matar ex-namorada com tiro na cabeça

Renata Ranyelle Almeida, de 23 anos, foi baleada no rosto dentro da loja onde trabalhava

Polícia prende suspeito de matar ex-namorada com tiro na cabeça

O homem confessou o crime à polícia - Foto: SBT jornalismo

A polícia prendeu na manhã desta quarta-feira (11), em Guarulhos, no estado de São Paulo, o homem suspeito de matar a ex-namorada, Renata Ranyelle Almeida, de 23 anos, em São Miguel, na região Oeste do Rio Grande do Norte. Ela foi baleada com um tiro na cabeça, no dia 23 de novembro, dentro da loja em que trabalhava como vendedora, e morreu no dia 29, no hospital.

De acordo com a Polícia Civil do Rio Grande do Norte, os investigadores potiguares repassaram informações sobre o suspeito, que acabou detido pelo grupo Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), da Polícia Civil de São Paulo. Ele estavaria escondido em um depósito que pertence a um amigo. A Polícia Civil ainda afirmou que o homem deixou São Miguel de carro, viajando pelo interior do país.

Mandado de prisão

A Justiça havia expedido um mandado de prisão contra Paulo Roberto da Silva, de 36 anos, no dia 27 de novembro, mas ele não foi encontrado em casa e, desde então, era considerado foragido. De acordo com os investigadores, é ele quem aparece de capacete nas imagens gravadas pela câmera de segurança da loja onde Renata trabalhava e onde o crime aconteceu. Ele teria tentado simular um assalto.
No vídeo, é possível ver a mulher esvaziando o caixa do estabelecimento, para entregar o dinheiro ao bandido. Mesmo sem ela esboçar qualquer reação, o criminoso levanta o braço a atira no rosto dela, fugindo em seguida sem levar nada.

 

 

Visita no hospital

Ainda de acordo com a Polícia Civil, Paulo Roberto visitou a vítima no hospital, mesmo depois de atirar nela. Ele apareceu em uma fotografia tirada dentro da unidade hospitalar, segurando a mão de Renata. Pela foto, o delegado Júlio Costa, que apura o caso, confirmou que se tratava do principal suspeito do crime. Ele teve uma filha com a vendedora, que tem um ano de idade.

 

A vítima ainda foi socorrida, porém não resistiu aos ferimentos
A vítima ainda foi socorrida mas não resistiu/ reprodução; Redes sociais

#UmaPorUma

A violência contra a mulher é constante e frequentemente acaba em tragédia. Existe uma história para contar por trás de cada feminicídio, em Pernambuco. O especial Uma por uma contou todas. Em 2018, o projeto mapeou  onde as mataram, as motivações do crime, acompanharam a investigação e cobraram a punição dos culpados. Um banco de dados virtual, com os perfis de vítimas e agressores, além dos trágicos relatos que extrapolam a fotografia da cena do crime. Confira o especial Uma por Uma AQUI.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.