CASO MIGUEL

"Se fosse o filho dela? Minha irmã já estava na cadeia", diz tia de Miguel em protesto no Recife

Manifestantes protestam nesta sexta-feira (5), em frente ao prédio em que Miguel caiu de uma altura de 35 metros

Tia de Miguel protesta em frente ao prédio onde o pequeno Miguel caiu e morreu - Foto: Felipe Ribeiro/JC IMAGEM

Por Suzyanne Freitas

Em protesto pela morte do garoto Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que morreu na última terça-feira (2), após cair do 9º andar do condomínio de luxo Píer Maurício de Nassau, conhecido como Torres Gêmeas, no bairro de São José, na área central do Recife, manifestantes se concentram em frente ao prédio, nesta sexta-feira (5), e clamam por 'Justiça por Miguel', várias vezes.

Durante a tragédia, Miguel estava sob os cuidados da esposa do prefeito de Tamandaré, Sarí Corte Real, que foi autuada por homicídio culposo - quando não há intenção de matar - por deixar a criança sozinha no elevador momentos antes do acidente.

Mesmo abalada, uma das tias do pequeno, Renata Sousa, foi até o local do protesto e pediu que a justiça seja feita depressa. Além disso, ela ainda relatou que o sonho do menino foi interrompido brutalmente. 

"Se fosse o filho dela? Se fosse o contrário? Minha irmã já estava na cadeia por causa dela. Por causa de um capriche de uma madame, meu sobrinho está morto hoje. Eu quero justiça pela minha irmã, justiça pelo meu sobrinho, de 5 anos. Ele era uma criança cheia de sonhos que foi interrompido por uma madame. Foi interrompida a vida do meu sobrinho. Ela destruiu uma família, ela despedaçou todos nós e a gente só quer a justiça", afirmou.

 

Justiça de Deus

Em meio às lágrimas, Renata disse que além de acreditar na justiça dos homens, acredita também na justiça de Deus."Eu acredito na justiça dos homens, acredito na justiça divina. Eu creio em Deus que tudo isso ela vai pagar. Eu creio Senhor, eu creio", expressou.

Pai de Miguel faz questionamento

A tristeza que tomou conta da mãe do menino Miguel Otávio Santana da Silva não foi menor para o pai. Indignado com a perda do filho. Ele cobrou mais investigações sobre o caso e quer que a dona do apartamento onde a mãe do menino trabalhava explique tudo o que aconteceu.

‘’A gente vai correr atrás (de justiça). Hoje foi meu filho, estou com dor, mas vamos correr atrás e descobrir o que houve. Vamos querer saber tudo. A patroa dela tem que explicar. Tem que explicar por que deixou o menino só? Por que não deixou o (filho) dela só e deixou o meu?’’, questionou. 

 

Sonho em ser jogador de futebol

As recordações de Miguel Otávio Santana da Silva estão vivas nas mentes de quem conviveu com a criança. Na escola onde o garoto estudava, desde o maternal, todos sabiam que o sonho dele era ser jogador de futebol. No caderno dele, ficaram gravadas as primeiras letras de uma história que foi interrompida.

Relembre o caso

O caso aconteceu na tarde da última terça-feira (2), quando Mirtes Renata deixou o filho sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear na rua, com o cachorro da família. Ao voltar para o prédio, ela se deparou com o filho praticamente morto. Miguel ainda foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos provocados pela queda.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.