ENSINO BáSICO

Presidente do Sinepe defende datas diferentes para retorno das escolas particulares e públicas em Pernambuco

O ensino básico em Pernambuco estão com as aulas suspensas desde o dia 18 de março

Presidente do Sinepe defende datas diferentes para retorno das escolas particulares e públicas em Pernambuco

Após reunião com representantes do governo, José Ricardo Diniz anunciou que decreto suspendendo aulas não seria renovado e foi aplaudido - Foto: Yacy Ribeiro/JC Imagem

A polêmica sobre a voltas das aulas presenciais para o ensino básico em Pernambuco continua. O prazo de suspensão segue até o dia 15 de setembro, conforme divulgou o governo estadual, e existe a possibilidade de ser prorrogado mais uma vez. Em entrevista ao Por Dentro com Cardinot, o presidente do Sindicato das Escolas Particulares (Sinepe), José Ricardo Diniz, defendeu uma divisão entre a rede pública e privada para que os estabelecimentos sejam reabertos.

>>Após protestos, Paulo Câmara diz que não é momento para retorno das aulas presenciais do ensino básico

‘’A gente fez a manifestação na semana passa e nos deixamos claro que a proposta é desvincular as datas das escolas da rede pública municipal, estadual e privada. As realidades são diferentes’’, afirmou. 

Cronograma

A justificativa do presidente do Sinepe é que várias escolas particulares já estão prontas para receberem os alunos do ensino básico, que possuem situações diferentes das escolas públicas de Pernambuco. As aulas estão suspensas desde o dia 18 de março.

‘’Nós apresentamos um cronograma de retorno dos segmentos e cobramos essa desvinculação. Cada um tem as suas circunstância e particularidades. Aquelas escolas que estiveram prontas nós teremos a data para começar e esse retorno progressivo e isso deverá acontecer’’, acredita o presidente do Sinepe.

Aulas presenciais no ensino superior

Até o momento, apenas as aulas presenciais para o ensino superior foram liberadas e dividida em três etapas. Na primeira etapa, que começou no dia 08 de setembro, as instituições só podem receber até 25% da sua capacidade, dando prioridade para quem vai concluir o curso.

Já no dia 14 de setembro, as faculdades e universidades poderão retomar as atividades com até 50% da capacidade de estudantes. O retorno às aulas presenciais deste segmento de ensino segue nos dias 21 e 28 de setembro, estando as instituições de ensino autorizadas a retomarem as atividades com 75% e 100% de sua capacidade, respectivamente.

Protocolo contra o coronavírus

  • Reduzir a ocupação das salas de aula
  • Adotar revezamento de turmas se necessário

Distanciamento social

  • Manter, pelo menos, 1,5 m (um metro e meio) de distância entre os estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores, em todos os ambientes do estabelecimento de ensino;
  • Estabelecer o número de estudantes por turma, observando rigorosamente as normas de distanciamento, 1,5m (um metro e meio) entre as bancas escolares, reduzindo a quantidade de estudantes se necessário;
  • Promover diferentes intervalos de entrada, saída e alimentação entre as turmas, com o objetivo de evitar aglomerações.

Prevenção/proteção

  • Utilizar a máscara de forma obrigatória e contínua, por todas as dependências do estabelecimento de ensino, devendo ser observadas as orientações específicas quando se tratar de crianças até dois anos de idade;
  • Disponibilizar, para uso dos estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores local para lavagem frequente das mãos, provido de sabão, toalhas de papel além da disponibilização do álcool 70%, em pontos estratégicos de fácil acesso;
  • Higienizar grandes superfícies com os seguintes produtos: hipoclorito de sódio a 0.1%; alvejantes contendo hipoclorito (de sódio, de cálcio) a 0,1%; dicloroisocianurato de sódio (concentração de 1,000 ppm de cloro ativo); iodopovidona (1%); peróxido de hidrogênio 0.5%; ácido peracético 0,5%, quaternários de amônio, por exemplo, o Cloreto de Benzalcônio 0.05%; compostos fenólicos; desinfetantes de uso geral aprovados pela Anvisa, observando as medidas de proteção, em particular o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) quando do seu manuseio.

Monitoramento e educação

  • Elaborar cartilha de orientação sobre os cuidados básicos de prevenção do novo coronavírus para disponibilizar pela internet para estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores;
  • Orientar estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores dos estabelecimentos de ensino que apresentarem sintomas gripais, e os seus contatos domiciliares, a acessarem o aplicativo “Atende em Casa” (www.atendeemcasa.pe.gov.br). Durante o acesso, serão orientados sobre como proceder com os cuidados, inclusive sobre a necessidade de procurar um serviço de saúde.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.