PANDEMIA

Recife registra 98,5% de redução nos casos graves de coronavírus

A redução foi de 98,5% na comparação com o mês de abril, quando foram registrados 4.195 casos de covid 19


Recife registra 98,5% de redução nos casos graves de coronavírus

A redução foi de 98,5% na comparação com o mês de abril, quando foram registrados 4.195 casos de covid 19 - Foto: Foto: Vanessa Falcão/Rádio Jornal

 Nesta segunda-feira (5), 206 dias após a confirmação dos primeiros casos de coronavírus no Recife, o prefeito Geraldo Julio anunciou que o mês de setembro foi o período de menor número de pacientes graves desde o início da pandemia, com 68 casos. A redução foi de 98,5% na comparação com o mês de abril, quando foram registrados 4.195 casos de covid 19.

O isolamento social realizado muito cedo e a rede emergencial com sete hospitais de campanha construídos em 45 dias garantiram atendimento adequado a todos os recifenses e pernambucanos que precisaram e ajudaram a salvar milhares de vidas, diante da maior emergência de saúde da história da cidade.

>>Brasil tem estabilidade em patamar alto do número de casos de covid-19

“Nós continuamos acompanhando o número da pandemia em nossa cidade e orientando permanentemente a prevenção. O mês de setembro foi o mês de menor número de pacientes graves desde o início da pandemia. Foi uma redução de 98,5%, comparado ao mês de abril. Foram 68 casos em setembro e 4195 casos de covid grave em abril. Nós precisamos continuar o trabalho de prevenção. Essa é uma conquista coletiva, de todos que vem tomando os devidos cuidados. Com o número menor de doentes graves a gente pode seguir com o plano de reabertura, retomando as atividades normais em nossa cidade”, destacou o prefeito Geraldo Julio.

Redução

Após mais de cinco meses de queda nos principais indicadores da pandemia, também é expressiva a redução de casos graves na comparação do último mês fechado com agosto, quando foram registrados 199 casos de síndrome respiratória aguda grave (srag) por covid-19 - uma queda de 66%.

Na fase mais crítica da pandemia, entre abril e maio, a rede de saúde da capital pernambucana não entrou em colapso graças ao maior índice de isolamento social entre as capitais brasileiras e à abertura de leitos que não existiam no início deste ano. A Prefeitura do Recife construiu sete hospitais de campanha, que chegaram a ter cerca de mil leitos para os pacientes com suspeita ou diagnóstico confirmado de covid-19. O Recife foi a capital que, proporcionalmente à população, abriu mais leitos de covid no Brasil.

Hospitais

Os sete hospitais municipais e os leitos de covid abertos em outras duas unidades de saúde propiciaram mais de 18.500 atendimentos, mais de 6.300 internações e mais 3.200 altas médicas. Para dar conta dessa demanda extraordinária, a Secretaria de Saúde (Sesau) do Recife contratou mais de quatro mil profissionais e adquiriu mais de 10 mil equipamentos médico-hospitalares, além 3,5 milhões de equipamentos de proteção individual (EPIs).

Com a queda consolidada de diversos indicadores da pandemia, há cinco meses, já foi possível desmobilizar seis desses hospitais de campanha. Ao todo, já foram desativados 753 leitos municipais, restando 275 leitos em funcionamento, sendo 110 UTIs e 165 enfermarias. Neles, estão internados hoje 113 pacientes – 54 nas enfermarias e 59 deles nas UTIs. Com o número de pacientes internados também caindo desde junho, o único hospital de campanha municipal que permanece funcionando completamente é o Hospital Provisório Recife 1, localizado na Rua da Aurora, em Santo Amaro.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.