BENEFíCIO

Novo auxílio emergencial 'é possível', mas atenderia menos pessoas; Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala sobre condições para prorrogação

Ministro reuniu-se com presidente do Senado na noite dessa quinta (4), e eles discutiram o retorno do auxílio emergencial

Novo auxílio emergencial 'é possível', mas atenderia menos pessoas; Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala sobre condições para prorrogação

Novo auxílio emergencial só viria com calamidade pública, diz Guedes - Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Com informações da Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reuniu-se nessa quinta-feira (4) à noite com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

>> Retorno do auxílio emergencial é prioridade no Senado e na Câmara dos Deputados

>> Bolsa Família será o novo auxílio emergencial em 2021? Benefício pode ganhar bônus

 

Discussão sobre o auxílio emergencial

Entre os temas tratados no encontro, está uma eventual nova rodada do auxílio emergencial, tema que tem gerado muitas discussões e expectativa, desde o fim do auxílio emergencial, que foi encerrado em dezembro de 2020 e teve seus últimos pagamentos realizados em janeiro de 2021.

De acordo com o ministro da Economia, um novo auxílio emergencial deve estar dentro do orçamento e ser acionado apenas em caso de nova calamidade pública.

 

>> Auxílio emergencial de R$ 300: Justiça manda governo federal prorrogar benefício em estado brasileiro

>> Prorrogação do Auxílio emergencial: veja o que está sendo dito após retorno e mudanças no Congresso Nacional

 

Atenderia menos brasileiros

Segundo o ministro, a extensão do auxílio emergencial seria mais “focalizada” e atenderia 32 milhões de brasileiros, pouco menos da metade dos 67,9 milhões de pessoas que receberam o benefício em 2020.

Para chegar à estimativa de 32 milhões de pessoas, Guedes explicou que uma nova versão do auxílio emergencial não abrangeria os inscritos no Bolsa Família, e se concentraria apenas na população não atendida por nenhum programa social.

 

>> Covid-19: Amazonas já transferiu 424 pacientes para outros estados do Brasil

>> Estado brasileiro cria auxílio emergencial para famílias em extrema pobreza

>> Ministério Público vai investigar mortes por falta de oxigênio no Amazonas

 

Estado de calamidade pública

O ministro ressaltou que a recriação do auxílio emergencial deverá ter previsões de recursos no orçamento, com o remanejamento de outras despesas e com a ativação do estado de calamidade.

“É possível. Nós temos como orçamentar isso, desde que seja dentro de um novo marco fiscal. Se o Congresso aciona o estado de calamidade, temos condição de reagir rapidamente. Mas é muito importante que seja dentro de um quadro de recuperação das finanças. Estamos preparados para fazer as coisas dentro das proporções”, declarou Guedes.

 

>> Presidentes da Câmara e do Senado defendem novo auxílio emergencial

>> Auxílio emergencial endivida o Brasil, mas tem que ser prorrogado, diz Fernando Henrique Cardoso

>> Presidente do Congresso e líder do governo na Câmara falam sobre possível volta do auxílio emergencial e alternativas

>> Petição pede extensão do auxílio emergencial até o fim da pandemia; veja como assinar

 

Parlamento

Ao lado de Guedes na saída da reunião, Pacheco disse que foi ao Ministério da Economia expressar “formalmente” à equipe econômica a preocupação dos parlamentares com o fim do auxílio emergencial. “A pandemia continua, e agora eu vim ao ministro da Economia externar o que é uma preocupação do Congresso Nacional”, disse.

Ao comentar que a retomada do auxílio emergencial é importante, Pacheco disse ter se antecipado à reunião do colégio de líderes, ao discutir a questão com Guedes. O senador, no entanto, ressaltou que a recriação do benefício deve ser discutida observando as regras fiscais. “Obviamente com cautela, com prudência, com observância de critérios, para evitar que as coisas piorem”, afirmou.

 

>> Prorrogação do auxílio emergencial: Veja o que dizem os novos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados

>> Congresso volta com eleição e prorrogação do auxílio emergencial em pauta

>> 'Auxílio emergencial consecutivo': Projeto quer prorrogação com até 6 parcelas; veja quem pode ter direito

>> "Auxílio emergencial deve ajudar economia até meados de fevereiro", diz Guedes

>> Após auxílio emergencial, Bolsa Família pode atender mais pessoas

 

Reformas

Sobre o cronograma de votação das reformas econômicas, o presidente do Senado reiterou que pretende concluir a reforma tributária em 2021, aproveitando as propostas em tramitação no Congresso, sem impor um novo texto. O Ministério da Economia poderá contribuir com sugestões na comissão especial.

Além da reforma tributária, Pacheco listou, como prioridades, as propostas de emenda à Constituição (PECs) do pacto federativo, emergencial e da desvinculação dos fundos públicos. A cláusula de calamidade, que permitiria a recriação do auxílio emergencia, seria incluída na primeira PEC, do pacto federativo, sendo acionada pelo Congresso e discutida no Conselho Fiscal da República que seria criado pela proposta.

Marcado para o fim da tarde dessa quinta-feira, o encontro entre Pacheco e Guedes ocorreu no fim da noite. Por causa da sessão no Senado, que se estendeu além do horário previsto, o encontro atrasou três horas.

 

>> Auxílio emergencial: Governo fala sobre possibilidade de mais pagamentos

>> Projeto prevê auxílio permanente de R$ 1.200 para mães chefes de família

>> Prorrogação do auxílio emergencial: Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala sobre possibilidade

>> Projeto pede prorrogação do auxílio emergencial, com valor de R$ 600

>> Projetos criam novo programa de renda e querem prorrogar auxílio emergencial

>> Projeto pode possibilitar prorrogação do auxílio emergencial

>> Auxílio emergencial: líder do Governo passa responsabilidade para prefeitos

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.