pedido

Governador de Pernambuco e de outros 15 Estados pedem que novo auxílio emergencial seja de R$ 600

Além disso, os governadores que assinaram a carta querem que os critérios do novo auxílio emergencial sejam os mesmos de 2020

Robert Sarmento
Robert Sarmento
Publicado em 24/03/2021 às 17:25
Marcello Casal Jr./Agência Brasil
FOTO: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Leitura:

Em carta enviada aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), os governadores de 16 Estados, incluindo Pernambuco, pedem que o Congresso Nacional que o novo auxílio emergencial seja com o valor de R$ 600 e que o benefício tenha os mesmos critérios de 2020, quando foi disponibilizado pela primeira vez durante o inicio da pandemia da covid-19. Os valores estabelecidos pelo governo federal em medida provisória para o auxílio emergencial de 2021 são de R$ 175, R$ 250 e R$ 375.

"Agir contra esse cenário requer medidas sanitárias e garantia de uma renda emergencial. Somente com essas medidas seremos capazes de evitar o avanço da morte", escrevem os governadores. "Por isso, entendemos que a redução dos valores do auxílio emergencial é inadequada para a eficácia da proteção da população. Enquanto a vacinação não acontecer em massa, precisamos garantir renda para a população mais vulnerável.", dizem. Confira abaixo os governadores que assinam a carta.

  • Renan Filho (MDB), de Alagoas;
  • Waldez Góes (PDT), do Amapá;
  • Rui Costa (PT), da Bahia;
  • Camilo Santana (PT), do Ceará;
  • Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo;
  • Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão;
  • Reinaldo Azambuja (PSDB), de Mato Grosso do Sul;
  • Helder Barbalho (MDB), do Pará;
  • João Azevêdo (Cidadania), da Paraíba;
  • Ratinho Júnior (PSD), do Paraná;
  • Paulo Câmara (PSB), de Pernambuco;
  • Wellington Dias (PT), do Piauí;
  • Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte;
  • Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul;
  • João Doria (PSDB), de São Paulo;
  • Belivaldo Chagas (PSD), de Sergipe.

Proposta de aumento

O deputado federal Túlio Gadelha (PDT) apresentou uma emenda à Medida Provisória que trata sobre o auxílio emergencial para que o valor suba para R$ 600 por beneficiário que tenha na família. O valor é apoiado por vários deputados. De acordo com a equipe de Túlio Gadelha, a expectativa é que a proposta do deputado seja analisada ainda nesta semana no plenário da Câmara dos Deputados. Para ser aprovada, a proposta de aumento no valor do auxílio emergencial 2021 tem de ser aprovada também pelo Senado.

Novo auxílio emergencial

O auxílio emergencial já está pronto e deve ser divulgado em breve pela Caixa Econômica Federal. A proposta é pagar quatro parcelas, que variam de R$ 150 a R$ 375. O pagamento será feito aos inscritos do CadÚnico e do Bolsa Família. A previsão é que os pagamentos do novo auxílio emergencial comecem em 5 de abril para os trabalhadores informais que não recebem o Bolsa Família. A decisão aguarda a assinatura do presidente da República, Jair Bolsonaro. A informação foi divulgado em primeira mão pelo SBT News.

> Auxílio emergencial 2021: confira datas de pagamento para beneficiários do Bolsa Família

Assinada por Bolsonaro, a MP permitirá, segundo o governo, que 45,6 milhões de famílias recebam a nova rodada do auxílio emergencial, em 2021. O benefício só será pago a famílias com renda total de até três salários mínimos por mês, se a renda por pessoa for inferior a meio salário mínimo. A medida prevê o pagamento por quatro meses, mas deixa em aberto uma possível prorrogação das parcelas, que poderá ser feita por Ato do Executivo. Ou seja, sem que passe pelo crivo do Congresso.

Mais Lidas