CIêNCIA

Covid-19: Entenda como isolamento suaviza abalos sísmicos no planeta

As quarentenas feitas em todo o mundo para conter a propagação da covid-19 levaram a uma das mais longas reduções da história de abalos sísmicos 

Covid-19: Entenda como isolamento suaviza abalos sísmicos no planeta

Pesquisa é do Real Observatório da Bélgica e mais cinco instituições - Foto: AFP

Agência Brasil

As quarentenas feitas em todo o mundo para conter a propagação da covid-19 levaram à redução mais longa da história de abalos sísmicos ligados a atividades humanas, aprimorando a capacidade dos cientistas para captar os sinais naturais da Terra e detectar terremotos, revelou estudo.

 

As vibrações percorrem o planeta como ondas, criando ruído sísmico de terremotos, vulcões, ventos e rios, além de atividades humanas como viagens e indústrias.

>> Brasil registra número recorde de casos de covid-19 em 24h

>> Testes confirmam eficácia de tecido antiviral contra novo coronavírus

>> No Facebook, Bolsonaro diz que novo teste para covid-19 deu negativo

Pesquisa

No estudo, publicado no periódico científico Science e realizado por meio de redes internacionais de sismógrafos, cientistas descobriram que as vibrações terrestres ligadas a humanos diminuíram em média 50% entre março e maio deste ano.

>> Morre deputado José Mentor, vítima de covid-19

>> INSS facilita a tomada de crédito para aposentados e pensionistas durante a pandemia da covid-19

>> MPs com medidas de enfrentamento à covid-19 são prorrogadas

>> OMS registra recorde de novos casos de coronavírus no mundo

"O período de pausa do ruído sísmico de 2020 é a redução de ruído sísmico global antropogênico mais longa e proeminente já registrada", escreveram os pesquisadores. O trabalho foi desenvolvido pelo Real Observatório da Bélgica e mais cinco instituições, usando dados de 268 estações de monitoramento de 117 países.

>> Uso de máscaras pode controlar coronavírus em até 8 semanas, diz CDC

>> Coronavírus: Pesquisa aponta que mais de mil mortes poderiam ter sido evitadas se isolamento tivesse atingido alto índice

>> Coronavírus: Médicos dizem acreditar em subnotificação de casos e mortes

"Onda de aquietamento"

Começando na China, no fim de janeiro, e seguida pela Europa e o resto do mundo de março a abril, pesquisadores viram "uma onda de aquietamento" enquanto medidas de isolamento eram adotadas para desacelerar a pandemia. 

As viagens e o turismo foram praticamente suspensos, milhões de escolas e indústrias fecharam e muitas pessoas ficaram confinadas em casa.

As maiores reduções de vibrações induzidas por humanos foram vistas em áreas densamente povoadas, como Singapura e a cidade de Nova York, mas também foram observadas em áreas como a Floresta Negra da Alemanha e Rundu, na Namíbia.

>> Justiça suspende obrigatoriedade dos planos de saúde incluírem exames para detectar o coronavírus

>> Rússia conclui pesquisa e planeja ter vacina contra coronavírus em agosto

>> Segunda cidade com maior número de casos, população em Jaboatão ignora o coronavírus

>> OMS: transmissão do coronavírus pode ocorrer durante procedimento médico

>> Letalidade do novo coronavírus é maior em bairros mais pobres do Recife

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.