AULAS

Pais protestam na Av. Boa Viagem pelo retorno das aulas presenciais

Os pais pedem à volta das aulas presenciais

Pais protestam na Av. Boa Viagem pelo retorno das aulas presenciais

Apesar de defender a retomada das aulas de forma segura, alguns pais estavam sem máscara - Foto: Bruno Campos / JC Imagem

Cerca de trinta pais de alunos de escolas particulares se reuniram na manhã deste domingo (20), no segundo Jardim de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, para protestar pela volta às aulas presenciais. Apesar de pedirem uma retomada segura, alguns pais estavam sem máscaras.

"Sabemos dos malefícios da falta da escola para essas crianças e da ausência, hoje em dia, de evidências que justifiquem mantê-los em casa. Sabemos a transmissão de crianças é 5.5x menor do que por adultos. Então, queremos uma discussão baseada em ciência e não no medo e no terror que foi causado", justifica a médica, mãe de uma criança de 4 anos e líder do movimento, Ana Carolina Campolina. 

De acordo com Fabiana Nunes, uma das organizadoras, o objetivo do movimento é de estabelecer um diálogo com o Governo do Estado, que não estaria atento às demandas dos pais. "Por que a educação não está sendo considerada como pauta prioritária? Os bares podem funcionar e as escolas não podem reabrir? Queremos que nós, pais, sejamos incluídos nessa discussão pois acreditamos que temos o direito de escolher o que achamos ser o melhor para nossos filhos", afirma.

Petição online 

O grupo é formado por mães e pais de cerca de 10 colégios diferentes. Ainda segundo Fabiana, há também uma demanda por parte de pais e professores de escolas públicas para que a retomada das aulas in loco ocorra o mais rápido possível.

O grupo lançou também uma petição online, direcionada ao secretário de Educação do Estado, Fred Amâncio, com o nome de Movimento Volta às Aulas. O documento reúne até o momento um pouco mais de 200 assinaturas.

Aulas interrompidas 

As escolas - privadas e particulares - em Pernambuco estão fechadas desde 18 de março, por decisão do governo local. Dos cerca de R$ 2,3 milhões de estudantes da educação básica no Estado, 400 mil estão matriculados nas 2.400 instituições privadas enquanto a maioria, 600 mil, na rede estadual. Os outros alunos se encontram em escolas municipais e federais.

O decreto estadual que impôs a manutenção até o momento das aulas à distância é válido até a próxima terça-feira (22). Nesta segunda (21), o Executivo Estadual reunirá o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 para avaliar os dados e debater se vem ao caso de manter as aulas apenas virtuais ou se é chegado o momento de anunciar o retorno das atividades presenciais.

 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.