AULAS

Secretário de Educação: Volta às aulas presenciais em PE não deve passar de outubro

O anúncio do secretário criou ainda mais expectativa sobre a retomada das aulas

Secretário de Educação: Volta às aulas presenciais em PE não deve passar de outubro

O Governo de Pernambuco ainda não divulgou a data para a retomada das aulas presenciais, em escolas públicas e privadas - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

O secretário de Educação de Pernambuco, Frederico Amâncio, falou que a volta às aulas presenciais no Estado não deve passar do mês de outubro. O pronunciamento aconteceu em um evento online sobre o ensino no Brasil, nessa segunda-feira (24). 

De acordo com ele, as aulas devem voltar para de evitar prejuízos emocionais, sociais e de aprendizado para crianças e adolescentes.

Na ocasião, ele também disse que, nas periferias, os estudantes não estão mais em casa e que ele acredita que estariam mais seguros na escola. O anúncio do secretário criou ainda mais expectativa sobre essa retomada

Influência

Mesmo o secretário falando apenas da rede estadual, caso seja confirmada a volta para outubro, por exemplo, a decisão pode influenciar também no recomeço das aulas presenciais em escolas particulares.

Recentemente, em entrevista à Rádio Jornal, Fred Amâncio também disse que as escolas iriam reabrir gradativamente e a prioridade será dos alunos do ensino médio. 

 

Protocolo

O protocolo do Governo de Pernambuco para o setor de Educação contempla regras, como o uso obrigatório de máscara por alunos, professores e funcionários, e distanciamento mínimo de 1,5 metro dos estudantes, em sala de aula.

Também há a suspensão de esportes coletivos e de eventos presenciais. Confira abaixo as determinações do Governo de Pernambuco para o setor da Educação:

Distanciamento social 

  • Manter, pelo menos, 1,5 m (um metro e meio) de distância entre os estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores, em todos os ambientes do estabelecimento de ensino;
  • Estabelecer o número de estudantes por turma, observando rigorosamente as normas de distanciamento, 1,5m (um metro e meio) entre as bancas escolares, reduzindo a quantidade de estudantes se necessário;
  • Promover diferentes intervalos de entrada, saída e alimentação entre as turmas, com o objetivo de evitar aglomerações.

Prevenção/proteção

  • Utilizar a máscara de forma obrigatória e contínua, por todas as dependências do estabelecimento de ensino, devendo ser observadas as orientações específicas quando se tratar de crianças até dois anos de idade;
  • Disponibilizar, para uso dos estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores local para lavagem frequente das mãos, provido de sabão, toalhas de papel além da disponibilização do álcool 70%, em pontos estratégicos de fácil acesso;
  • Higienizar grandes superfícies com os seguintes produtos: hipoclorito de sódio a 0.1%; alvejantes contendo hipoclorito (de sódio, de cálcio) a 0,1%; dicloroisocianurato de sódio (concentração de 1,000 ppm de cloro ativo); iodopovidona (1%); peróxido de hidrogênio 0.5%; ácido peracético 0,5%, quaternários de amônio, por exemplo, o Cloreto de Benzalcônio 0.05%; compostos fenólicos; desinfetantes de uso geral aprovados pela Anvisa, observando as medidas de proteção, em particular o uso de
    equipamentos de proteção individual (EPI) quando do seu manuseio.

Monitoramento e educação

  • Elaborar cartilha de orientação sobre os cuidados básicos de prevenção do novo coronavírus para disponibilizar pela internet para estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores;
  • Orientar estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores dos estabelecimentos de ensino que apresentarem sintomas gripais, e os seus contatos domiciliares, a acessarem o aplicativo “Atende em Casa” (www.atendeemcasa.pe.gov.br). Durante o acesso, serão orientados sobre como proceder com os cuidados, inclusive sobre a necessidade de procurar um serviço de saúde.
  • Afixar as medidas de prevenção por meio de Materiais visuais nos estabelecimentos de ensino.

Aulas suspensas 

Em relação às aulas presenciais em escolas públicas e privadas, o Governo de Pernambuco ainda não divulgou a data para a retomada. O prazo que proíbe a presença dos alunos na sala de aula já foi prorrogado quatro vezes. 

Até 15 de agosto, as unidades de ensino permanecerão fechadas, por determinação do governador Paulo Câmara, a partir de avaliação do Comitê Estadual de Enfrentamento ao coronavírus. 

Expectativa

A expectativa é grande, em relação às datas para reabertura dos estabelecimentos de ensino. A elaboração do protocolo foi coordenada pelo secretário de Educação de Pernambuco, Frederico Amâncio.

Antes de concluir o documento, ele ouviu diversos representantes da educação pública e particular, como sindicatos de donos de escolas privadas, secretários municipais de Educação, sindicato de faculdades particulares, reitores das universidades públicas, estudantes e sindicato docente.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.