PAULO GUEDES

Ministro da Economia fala sobre fim do auxílio emergencial

Última parcela do auxílio emergencial já está sendo paga a grande parte dos beneficiários e, com a proximidade do fim, tem sido questionada a prorrogação

Ministro da Economia fala sobre fim do auxílio emergencial

Fim do auxílio emergencial ajudará a controlar inflação, diz Guedes - Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Agência Brasil

O fim do auxílio emergencial ajudará no controle da inflação, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em audiência pública virtual no Congresso Nacional, o ministro também citou a aprovação do projeto de lei que concede autonomia ao Banco Central (BC), como fator que reduzirá as pressões sobre os índices de preços.

 

>> Auxílio Emergencial: divulgado calendário para mais 1,2 milhão de pessoas

>> Calendário do auxílio emergencial: última parcela começa a ser paga

>> Está com problemas para receber auxílio emergencial? Veja o que fazer

>> Calendário do auxílio emergencial chega à última parcela

“Nós achamos que esse aumento de inflação vai se dissipar. Primeiro, porque o presidente da Câmara [dos Deputados, Rodrigo Maia] vai aprovar o Banco Central independente, que vai impedir que essa alta transitória de preços prossiga. E, segundo, porque a própria suavização do auxílio emergencial, na medida em que ele desce e recai no Bolsa Família. Essa explosão de preços de construção civil, de alimentos, se acalma um pouco”, declarou o ministro.

 

>> Confira quem recebe o auxílio emergencial de R$ 300 nesta quarta (16)

>> Confira quem recebe o auxílio emergencial de R$ 600 nesta quarta (16) 

>> Auxílio emergencial de R$ 300: veja o novo calendário do Bolsa Família

>> O auxílio emergencial será prorrogado? Veja o que diz o Governo

>> Auxílio emergencial: Governo fala sobre possibilidade de mais pagamentos

>> Projeto prevê auxílio permanente de R$ 1.200 para mães chefes de família

>> Bolsa Família: Proposta prevê reajustes e pagamento de abono natalino

 

Demora para aprovar medidas

Guedes criticou a demora na aprovação de medidas que reduzam os gastos públicos e flexibilizem o orçamento. As reformas do pacto federativo e da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, paradas no Senado há um ano.

Entre as reformas fiscais, dois projetos, um que desvincula recursos parados em fundos públicos e outro que institui um plano de recuperação fiscal para estados, aguardam votação na Câmara.

Segundo Guedes, a equipe econômica fez sua parte, enviando as propostas ao Congresso. Agora, cabe aos parlamentares destravar a pauta e votar os textos. “É completamente insensato, quase desonesto, ficar cobrando coisas que já estão entregues. É muito fácil disfarçar desentendimento político passando a conta para quem já fez a sua parte. Não cobrem da economia. Quem faz o timing das reformas é a política. Não adianta devolver a conta para a economia”, declarou.

 

>> Senado: Após auxílio emergencial, criação de programa permanente é 'bastante provável'

>> Auxílio emergencial está acabando e governo discute nova prorrogação

>> Prorrogar auxílios pode contrair economia, diz presidente do Banco Central

>> Auxílio Emergencial de R$ 300: veja datas e condições para contestar cancelamento

>> Auxílio emergencial: veja quem recebe 9 parcelas e quantas você vai receber

>> Saiba qual é o seu prazo de saque do auxílio emergencial

 

Reforma tributária

O ministro também pediu empenho na aprovação da reforma tributária, que tramita em uma comissão mista especial do Congresso.

Segundo Guedes, o debate está interditado por causa de acordos entre parlamentares da Mesa Diretora e partidos de esquerda. Ele também disse que acordos entre legendas de esquerda estão atrapalhando o cronograma de privatizações.

 

>> Auxílio emergencial: Governo define regras para novas parcelas; veja quem não pode receber

>> Golpe rouba seus dados do FGTS, auxílio emergencial, Internet Banking e caixa eletrônico; saiba como evitar

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.