Governo Federal

Auxílio emergencial 2021: com medidas provisórias prontas, já pode começar o pagamento? O que falta?

O auxílio emergencial 2021 já é oficial e teve as regras e detalhes divulgados pelo Governo Federal

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 19/03/2021 às 10:02
Marcello Casal Jr./ABr
FOTO: Marcello Casal Jr./ABr
Leitura:

O Poder Executivo publicou, em edição extra do “Diário Oficial da União”, nessa quinta-feira (18), três medidas provisórias para instituir o auxílio emergencial em 2021 para pessoas em situação de vulnerabilidade, devido à pandemia de Covid-19. Segundo o governo, serão beneficiadas 45,6 milhões de pessoas.

Medidas provisórias

A Medida Provisória 1039/21 traz as regras do auxílio emergencial. Já as MPs 1037/21 e 1038/21 abrem créditos extraordinários, no valor de quase R$ 43 bilhões, para pagamento de abril a julho e para operacionalização do benefício.

>> Calendário do auxílio emergencial 2021: veja quando deve começar pagamento e possíveis datas para beneficiários do Bolsa Família

>> Caixa Econômica Federal: veja como serão divididos os calendários do auxílio emergencial 2021

>> Calendário: usado no pagamento do auxílio emergencial e do Bolsa Família, veja se pode atualizar cadastro no Caixa Tem, nesta sexta ou no fim de semana

>> Calendário do Bolsa Família de março: veja quando recebe e se será com 13º salário

E agora?

As medidas provisórias que abrem caminho para o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial serão analisadas por deputados e senadores, que podem ou não propor mudanças. Como as MPs têm força de lei, o pagamento do benefício já pode ser iniciado pelo governo.

>> João Campos explica quem pode receber e como será o pagamento do Auxílio Municipal Emergencial Recife

>> Novo auxílio emergencial deve ter quatro parcelas de R$ 250 a partir de abril; veja quem irá receber

>> Caixa diz que calendário do novo auxílio emergencial está pronto; veja o que falta para anúncio

>> Prefeitura do Recife anuncia auxílio emergencial de até R$ 150 exclusivo para moradores da capital pernambucana; entenda como receber

Como vai ser o auxílio emergencial 2021

  • Agora, serão quatro parcelas mensais de R$ 250 destinadas aos beneficiários do auxílio emergencial pago em 2020, considerada a lista em dezembro.
  • No caso da mulher provedora de família monoparental, a parcela mensal será maior, de R$ 375;
  • na hipótese de família unipessoal, o valor será menor, de R$ 150.

Para aqueles que recebem Bolsa Família, segue valendo a regra quanto ao valor mais vantajoso a ser recebido entre o programa assistencial e o novo auxílio emergencial.

>> Novo auxílio emergencial: só uma pessoa por família poderá receber benefício

>> Auxílio emergencial 2021 poderá ser movimentado via Pix ou transferências?

>> Auxílio emergencial 2021: confira quem devem ser os primeiros a receber, após atraso no início do calendário

>> Auxílio emergencial 2021: veja nova previsão de início dos pagamentos, após atraso na PEC Emergencial

>> Auxílio emergencial em 2021: valores de R$ 175, R$ 250 e R$ 375 podem aumentar?

>> Auxílio emergencial 2021: mães chefes de família vão receber valor em dobro de novo?

Crédito

O auxílio emergencial em 2021 foi viabilizado pela Emenda Constitucional 109, promulgada nesta semana. Foram liberados até R$ 44 bilhões para o benefício, montante fora da regra do teto de gastos, das restrições para endividamento da União (“regra de ouro”) e da meta de superávit primário das contas públicas.

No ano passado, foram pagas duas rodadas de auxílio emergencial, com cinco parcelas de R$ 600 mensais e, depois, quatro de R$ 300. Mulheres chefes de família receberam em dobro, e mais de uma pessoa por família teve direito à ajuda. O governo gastou R$ 293 bilhões com 68,2 milhões de pessoas.

Detalhamento

Conforme a MP 1037/21, os recursos para o auxílio emergencial serão oriundos da emissão de quase R$ 42,6 bilhões em títulos públicos. Já MP 1038/21 prevê R$ 384 milhões para custeio da ação e R$ 10 milhões para salários e benefícios de servidores do Ministério da Cidadania e da Advocacia-Geral da União.

Do total, R$ 23,4 bilhões serão destinados ao público já inscrito em plataformas digitais da Caixa (28.624.776 beneficiários); R$ 6,5 bilhões para integrantes do Cadastro Único do Governo Federal (6.301.073 beneficiários); e R$ 12,7 bilhões para pessoas atendidas pelo Programa Bolsa Família (10.697.777 beneficiários).

Tramitação

As três medidas provisórias devem ser analisadas pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado, conforme rito sumário adotado em razão da pandemia de coronavírus.

Mais Lidas