Denúncia

Caso Patrícia Roberta: Outras mulheres denunciaram à polícia "investidas abusadoras" de suspeito de matar pernambucana


"Denúncias que apontam, inclusive, para pessoas que também se declararam vítimas, mulheres, das investidas abusadoras de Jonathan", disse a delegada responsável pelo caso, Emília Ferraz

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 28/04/2021 às 15:45
Reprodução/Arquivo pessoal
FOTO: Reprodução/Arquivo pessoal
Leitura:

Na manhã desta quarta-feira (28), foi realizada uma coletiva de imprensa com representantes das forças policiais da Paraíba, onde divulgaram detalhes sobre a morte da jovem pernambucana Patrícia Roberta, de 22 anos. Na ocasião, a Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros detalharam a ação das equipes de busca que participaram do processo de investigação e encontraram o corpo da jovem.

Durante a coletiva, a delegada responsável pelo caso, Emília Ferraz, relatou que, aproximadamente, nove testemunhas fizeram relatos à polícia. Além disso, outras vítimas procuraram a polícia pelo 197 para denunciar o suspeito pela morte de Patrícia.

"As investigações estão preliminares, temos várias outras pessoas ainda para indagar, recebemos muitas denúncias relativas à ocorrência através do canal da Polícia Civil. Denúncias que apontam, inclusive, para pessoas que também se declararam vítimas, mulheres, das investidas abusadoras de Jonathan. Uma outra pessoa aponta para o comportamento explosivo, colérico e de apologia ao crime", detalhou a delegada.

Publicações

A polícia disse ainda que encontrou publicações nas redes sociais do suspeito que fazem registro ao uso de cocaína e fazem referência à situações particulares da vida dele, em que ele alega que vive em meio a um "covil de cobras", que seriam seus familiares.

Confira a coletiva completa

Suspeito preso

O suspeito de assassinar a jovem pernambucana Patrícia Roberta Gomes da Silva, de 22 anos, em João Pessoa, na Paraíba, foi preso na noite dessa terça-feira (27). A informação foi confirmada pelo comandante da Polícia Militar da Paraíba, coronel Euller Chaves. A prisão aconteceu em uma casa, no bairro Mangabeira 3, em João Pessoa, e foi conduzida pelo coronel do 5º BPM, Marcos Barros.

O suspeito de matar Patrícia Roberta é um tatuador Jonatan Henrique dos Santos, de 23 anos. Ele foi encontrado por profissionais da Força Tática do 5ª Batalhão da Polícia Militar. Antes, a Polícia chegou a um amigo do suspeito, que teria "informações importantes" a respeito da morte da pernambucana. Ele foi conduzido para a Central de Polícia de Homicídios de João Pessoa. O capitão Rosemberg disse que o amigo negou contato com o tatuador, nos últimos dias. De acordo com a imprensa paraibana, a motocicleta que transportou o corpo para a área de mata foi apreendida.

Apartamento

De acordo com informações repassadas pela perita Amanda Melo, no apartamento do suspeito foram encontrados dois livros de rituais, um caderno com vários nomes de mulheres, incluindo o de Patrícia, além de tênis e fronha sujos de sangue.

Ainda segundo a perita, também foram encontrados vários pertences da vítima, em um tambor de lixo, em frente ao condomínio, dentre eles um travesseiro de pescoço utilizado em viagens.

Polícia investiga se crime tem relação com rituais religiosos ou místicos

O suspeito de assassinar a jovem pernambucana Patrícia Roberta Gomes da Silva, de 22 anos, em João Pessoa, na Paraíba, foi preso na noite dessa terça-feira (27). A polícia investiga se a morte de Patrícia Roberta teria sido provocada por algum tipo de ritual.

Na casa do suspeito, foi encontrada uma lista com nomes de, pelo menos, 20 mulheres, entre os quais estava o de Patrícia Roberta. Além disso, segundo a perita Amanda Melo, havia também livros de ocultismo, dispostos em um quarto, com uma espécie de altar, e 'escritos perturbadores'. "Pode não significar nada, mas pode significar alguma coisa. E é nesse 'alguma coisa' que a gente geralmente encontra algo muito maior", afirmou.

Asfixia

A polícia trabalha também com a hipótese de asfixia. Segundo a perita Amanda Melo, Patrícia não foi atingida por tiros, armas ou golpes na cabeça. "Lesões por projéteis de arma de fogo, lesão por arma branca, não tem. Afundamento de crânio também não. Estou trabalhando inicialmente com a hipótese de asfixia mecânica".

O desaparecimento de Patrícia Roberta

A jovem de 22 anos identificada como Patrícia Roberta Gomes da Silva foi encontrada morta nessa terça-feira (27). Segundo a família, Patrícia saiu de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, na sexta-feira (23), por volta das 17h, para encontrar um suposto amigo em João Pessoa, capital da Paraíba. O último contato da jovem com os pais foi às 12h do domingo.

Patrícia havia informado aos familiares que retornaria na segunda-feira (26), mas os pais acharam estranho a falta de contato da jovem, desde o domingo (25), já que eles se falavam sempre, desde que a jovem saiu de casa, na sexta-feira (23).

Prima de Patrícia reconhece corpo

Um vídeo gravado pela TV Tambaú, afiliada do SBT em João Pessoa, na Paraíba, mostra o exato momento em que uma prima da pernambucana Patrícia Roberta, que foi encontrada morta nesta terça-feira (27), reconhece o corpo da parente. A familiar não quis ser reconhecida, nem gravar entrevista. O momento é de muita dor e comoção. A perita Amanda Melo, após realizar a perícia no corpo da jovem, mostra uma foto que tirou das tatuagens dela a prima, que reconhece Patrícia na hora, e desaba no choro.

Avó recebeu ligação da neta para combinar celebração do aniversário dela

Os familiares de Patrícia Roberta, jovem pernambucana que foi encontrada morta na Paraíba nesta terça-feira (27), estavam chocados e abalados com a notícia. Ao saber do fato, a avó dela entrou em desespero, pois a neta era muito ligada à família.

Em entrevista à TV Jornal Interior, a tia de Patrícia, Verônica Cursino, disse que a jovem, ainda em João Pessoa, ligou para a avó , que faz aniversário na próxima sexta-feira (30), e chegou a combinar que no próximo domingo estaria com a família para comemorar a data.

Verônica também afirmou que, quando soube da viagem da sobrinha, questionou o motivo da ida dela para a capital paraibana. "Fiquei um pouco preocupada e perguntei porque ela iria. Quando foi na segunda-feira, pela manhã, a minha irmã ligou desesperada dizendo que não tinha mais contato, nem notícias dela", declarou.

Estudam juntos há mais de 10 anos

Segundo a mãe da garota, ela e o amigo que havia ido visitar estudam juntos há mais de dez anos, em um colégio de Caruaru. Desde que o garoto se mudou para João Pessoa, eles mantinham contato apenas pelas redes sociais. Em entrevista ao NE10 Interior, a prima de Patrícia, Karen Melo, disse que, na última semana, a jovem havia falado com ela pedindo ajuda para comprar uma passagem de ônibus, e informou à família que ia viajar para João Pessoa.

Na última mensagem trocada com a mãe, Patrícia Roberta diz que o amigo comprou as passagens para voltar com ela a Caruaru.

Suspeito é visto por vizinho

Na manhã desta terça, as equipes de investigações tiveram acesso a imagens que mostram uma moto passando rapidamente em uma rua. No vídeo, é possível notar que há algo semelhante a um saco plástico. Um vizinho do suspeito relatou à polícia que chegou a ver o momento em que o homem saiu com um corpo, dentro de um tambor, em um carro de mão. No entanto, esse carro de mão teria quebrado e ele colocou o corpo da jovem em uma motocicleta. O corpo da jovem foi encontrado em avançado estado de decomposição, próximo ao condomínio onde o suposto amigo e principal suspeito mora, amarrado com fita adesiva e enrolado em um saco plástico.

>>Caso Patrícia Roberta: Vídeo mostra suspeito carregando suposto corpo de pernambucana em moto

Buscas

Os pais da pernambucana foram até João Pessoa para tentar encontrar a filha, seguindo fotos passadas por Patrícia da casa do garoto, onde supostamente estava hospedada. Após prestar queixa do desaparecimento da filha, o pai da jovem, Paulo Roberto, foi procurá-la por conta própria.

“Eu saí junto com dois colegas que estavam apoiando a gente aqui [João Pessoa]. Chegando no endereço, a luz do apartamento estava acesa e pela foto que ela mandou eu identifiquei que era o apartamento que ela estava”, afirmou.

Paulo permaneceu no local até por volta das 23h30, mas ninguém no imóvel atendia ao chamado. Segundo ele, um vizinho confirmou que o jovem apresentado por Paulo em uma foto das redes sociais morava no local, e que havia uma menina com ele.

"Eu só quero ir pra casa", disse pernambucana para a mãe, antes de desaparecer

A jovem Patrícia Roberta, de 22 anos, que foi encontrada morta nesta terça-feira (27), tinha viajado de sua cidade natal, Caruaru, no Agreste de Pernambuco, para encontrar um suposto amigo na cidade de João Pessoa, na Paraíba. Ao SBT, a mãe de Patrícia relatou que os dois se conheciam há mais de 10 anos, porque haviam estudado juntos no colégio, em Caruaru. O rapaz, que é o principal suspeito pelo desparecimento, teria insistido para que a jovem fosse a João Pessoa encontrá-lo.

Confira prints de conversa

Mais Lidas