dinheiro

Banco Central: Mais de 27 milhões de beneficiários têm valores a receber; site do Registrato continua suspenso


De acordo com o Banco Central, R$ 8 bilhões poderão ser recuperados

Bruna Oliveira
Bruna Oliveira
Publicado em 26/01/2022 às 19:49
Notícia
Marcello Casal JrAgência Brasil
O Auxílio Emergencial 2022 começou a ser pago em janeiro. O benefício pode ser consultado no Dataprev, pelo CPF - FOTO: Marcello Casal JrAgência Brasil
Leitura:

O acesso ao Sistema de Valores a Receber (SRV) foi suspenso pelo Banco Central nesta terça-feira (25) e segue também nesta quarta (26). A criação do sistema foi anunciado pelo Banco Central (BC) nessa segunda-feira (25).

Isso porque desde que foi anunciado, houve uma grande demanda de acessos. Ao todo, 27,9 milhões de beneficiários poderão ter acesso aos valores na primeira etapa de pagamentos.

>> Caixa libera duas rodadas de saque do PIS/Pasep 2022; veja se você tem direito

>> Onde consultar o PIS/Pasep 2022? É possível saber se tenho direito ao abono salarial pelo telefone? Tire suas dúvidas

>> PIS não habilitado na Carteira de Trabalho Digital: saiba o que pode ter acontecido e como resolver problema

Desse número, 26 milhões são de CPFs e 1,9 milhão são de titulares de CNPJs. O número de pessoas físicas corresponde a 93% do total. De acordo com o Banco Central, R$ 8 bilhões poderão ser recuperados.

 

Por meio do sistema, que ainda não têm previsão de retorno e se encontra dentro do site do Registrato, é possível que o beneficiário tenha acesso a um extrato das informações de uma pessoa com instituições financeiras.

Origem dos valores da primeira etapa de liberações:

  • Contas-correntes ou poupança encerradas com saldo disponível
  • Tarifas e parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, desde que a devolução esteja prevista em termo de compromisso assinado pelo banco com o BC
  • Cotas de capital e rateio de sobras líquidas de beneficiários e participantes de cooperativas de crédito
  • Recursos não procurados relativos a grupos de consórcio encerrados

Como deve ser feita liberação

Na primeira fase do serviço, o Registrato deve divulgar R$ 3,9 bilhões que podem ser devolvidos decorrentes de contas correntes ou poupanças encerradas e não sacadas, cobranças indevidas de tarifas ou de obrigações de crédito com Termo de Compromisso assinado com o BC, cotas de capital e rateio de sobras líquidas de associados de cooperativas de crédito e grupos de consórcio extintos.

Ao longo do ano, o BC pretende ampliar a consulta para a devolução de valores decorrentes de tarifas ou obrigações de crédito cobradas indevidamente não previstas em Termo de Compromisso, contas de pagamento pré-paga e pós-paga encerradas e com saldo disponível, contas encerradas em corretoras e distribuidoras de títulos e de valores mobiliários e demais situações que resultem em valores a serem devolvidos reconhecidas pelas instituições financeiras.

Segundo o BC, os dados e os valores fornecidos no Registrato são de responsabilidade das próprias instituições financeiras. Em alguns casos, os saldos a receber podem ser de pequeno valor, mas o órgão orienta o cidadão a sacar o dinheiro que lhe pertence de forma simples e ágil, por meio do novo serviço.

Sistema fora do ar

Por meio de nota divulgada nessa terça, o Banco Central se pronunciou sobre o sistema do Registrato ficar fora do ar.

“O lançamento do Sistema Valores a Receber (SVR) gerou demanda de acessos muito acima da esperada, o que provocou instabilidade em sua página e também nos sites do BC, do Registrato e Minha Vida Financeira. Para estabilizar esses sites, o BC suspendeu temporariamente o acesso ao SVR”, disse nota divulgada no site da autarquia.

O Banco Central informou que está "trabalhando para que o funcionamento dos sites seja normalizado o mais breve possível e também para o retorno do SRV.

“Manteremos o público informado quanto a esses desenvolvimentos e pedimos desculpas pelo transtorno", conclui texto.

Com informações da Folha de S.Paulo

 

Comentários

Mais Lidas