violência

Motorista de aplicativo é encontrada morta dentro do porta-malas do carro em que trabalhava


Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa investiga caso

Bruna Oliveira
Bruna Oliveira
Publicado em 17/02/2022 às 21:31
Notícia
REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
Michelle Caroline Chinol tinha 39 anos - FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
Leitura:

O corpo de uma motorista de aplicativo de 39 anos foi encontrado dentro do porta-malas do carro que ela usava para trabalhar em Curitiba, no Paraná nessa quarta-feira (16).

O veículo havia sido apreendido pela prefeitura da cidade na noite dessa quarta, no bairro Ganchinho, por estar estacionado de forma irregular.

Leia também: Vídeo mostra momento em que homem abandona carro com corpo de motorista de aplicativo no porta-malas

Após ser recolhido por um guincho para o pátio da Superintendência de Trânsito, funcionários sentiram um forte odor vindo do carro. Ao abrir o porta-malas, encontraram o corpo da vítima já em estado avançado de decomposição.

"Ela entrou em contato telefônico com o irmão no domingo e essa é a última informação que os familiares repassaram. Não foi feito boletim de ocorrência por conta do desaparecimento, já que, como ela prestava serviço de aplicativo não só em Curitiba como no litoral do Paraná, era comum sair de casa, sem avisar e voltar dias depois", afirmou o delegado Victor Menezes, da Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa, ao UOL.

A polícia investiga se a mulher estava com algum passageiro momentos antes de morrer.

Quem era a motorista de aplicativo?

Identificada como Michelle Caroline Chinol, a vítima, além de motorista de aplicativo, era atleta profissional de MMA e capoeira.

"O carro apreendido está no nome do irmão de um amigo, que já morreu. A princípio, não houve evidências de morte violenta, já que era uma pessoa mais difícil de ser dominada", afirmou o delegado, citando o fato de ela ter sido atleta. "Neste primeiro momento, não sabemos quais aplicativos que ela trabalhava e se tinha transportado algum passageiro momentos depois".

De acordo com o responsável pela academia que Michelle frequentava há 20 anos, Mestre Burguês, a mulher era uma pessoa "super amorosa".

"Uma menina maravilhosa, que não tinha problema com ninguém. Super amorosa. Não estamos acreditando o motivo de acontecer essa fatalidade. Ela sempre participava das rodas com a gente e veio pela última vez na sexta-feira (11). Era muito amiga e tinha começado a trabalhar recentemente como motorista de aplicativo", contou.

O corpo de Michelle foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Curitiba para passar por exames que devem apontar a causa de sua morte.

Com informações do UOL

Comentários

Mais Lidas