COVID-19

TCE emite alerta para Secretaria de Saúde de Pernambuco reduzir repasses às empresas que administram hospitais de campanha

De acordo com o TCE, essas organizações sociais estariam recebendo um valor muito alto para a quantidade de leitos oferecidos nos hospitais

TCE emite alerta para Secretaria de Saúde de Pernambuco reduzir repasses às empresas que administram hospitais de campanha

Segundo o conselheiro do TCE, Carlos Porto, caso o prazo de 10 dias não seja cumprido, será emitida uma medida cautelar para que o pagamento seja suspenso. - Foto: Divulgação/Prefeitura do Recife

O Tribunal de Contas do Estado (TCE), emitiu um alerta para a Secretaria de Saúde de Pernambuco, no prazo de 10 dias, para reduzir os repasses às empresas que administram os hospitais de campanha. De acordo com o TCE, essas organizações sociais estariam recebendo um valor muito alto para a quantidade de leitos oferecidos nas unidades de saúde do Estado. 

 

Segundo o conselheiro do TCE, Carlos Porto, caso o prazo de 10 dias não seja cumprido, será emitida uma medida cautelar para que o pagamento seja suspenso. 

 

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE), esclareceu que os contratos de gestão com as organizações sociais prevêem prestações de contas mensais e, se necessário, ao final do contrato, o ressarcimento ao estado de valores não utilizados. A nota diz ainda que todas as unidades seguem monitoramento assistencial e financeiro, baseado nas normas vigentes e explicitados em contrato. Ainda segundo a secretaria, reduzir o número de leitos contratados, neste momento, não seria a melhor opção pra a saúde dos pernambucanos.

Nota de esclarecimento da SES-PE na íntegra

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) esclarece que os contratos de gestão com as Organizações Sociais responsáveis por gerir as unidades abertas para atender os casos da Covid-19 prevêem prestações de contas mensais e, se necessário, ao final do contrato, o ressarcimento ao Estado de valores não utilizados. Todas as unidades seguem rigoroso monitoramento assistencial e financeiro, baseado nas normas da administração pública vigentes e que estão devidamente explicitados em contrato (que está disponível no Portal da Transparência).

Diferente de outros estados, Pernambuco optou por não adotar, no primeiro momento, a construção de hospitais de campanha para agilizar a abertura dos leitos. A decisão foi de assumir estruturas desativadas de unidades de saúde, que passaram por readequação física, como foi o caso dos hospitais de Referência à Covid-19 de Boa Viagem (antigo Alfa) e Olinda (Maternidade Brites de Albuquerque).

Juntas as duas unidades já totalizam 197 leitos ativos, sendo 120 de enfermaria e 77 de UTI. E novos leitos estão sendo abertos de acordo com a readequação das estruturas físicas e com a disponibilidade dos equipamentos necessários, já que é de público conhecimento a dificuldade de aquisição de respiradores em todo o mundo, assim como a dificuldade de recursos humanos.

Portanto, fazer um aditivo aos contratos, para reduzir o número de leitos contratados, quando todos os estados estão na luta para aumentá-los, não parece ser a melhor opção para a defesa da Saúde e da assistência aos pernambucanos. No entanto, ao término do contrato, conforme as cláusulas já definidas, a entidade que administra a unidade receberá apenas pelos serviços prestados, considerando os leitos efetivamente instalados.

Por fim, a SES-PE ressalta que o Governo de Pernambuco continua trabalhando com determinação e transparência para enfrentar a pandemia da Covid-19 no Estado. Em um esforço sem precedentes, novas vagas são criadas, quase que diariamente, para o tratamento da doença. Atualmente, esse número atingiu mais de 1,3 mil leitos, sendo 614 de UTI, no que, com certeza, já se tornou a maior ação de abertura de leitos da história de Pernambuco.

>>Turista é preso após descumprir quarentena e entrar no mar em Ipojuca

Coronavírus em Pernambuco

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) confirmou, nesta quarta-feira (27), 1.065 novos casos da Covid-19 em Pernambuco. Entre os confirmados, 247 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e 818 como leves. Agora, Pernambuco totaliza 29.919 casos já confirmados, sendo 13.086 graves e 16.833 leves.

Além disso, foram confirmados 140 óbitos, ocorridos desde o dia 19 de abril. É importante ressaltar que o expressivo aumento no número de mortes no boletim de hoje, está relacionado ao atraso na informação sobre a ocorrência dos óbitos pela rede hospitalar. Com isso, o Estado totaliza 2.468 mortes pela Covid- 19.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.