Caso Miguel

Caso Miguel: Mirtes diz que teve conta do Instagram hackeada


Todas as fotos do menino postadas na rede social da mãe foram apagadas

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 03/07/2020 às 12:55
Reprodução/TV Jornal
FOTO: Reprodução/TV Jornal
Leitura:

Diante da tragédia que resultou na morte de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, no último dia 2 de junho, a mãe dele, Mirtes Santana de Souza, atualmente se apega às lembranças materiais e aos momentos em que mãe e filho viveram juntos, e isso inclui também várias fotos tiradas e compartilhadas em redes sociais. Porém, em meio ao luto, Mirtes viu todas as fotos postadas no Instagram serem apagadas após seu perfil ser hackeado.

>>Caso Miguel: Noite de lembranças e muita emoção durante missa de 30 dias

>>Caso Miguel: depoimento da manicure foi fundamental para mudar tipificação do crime

>>Caso Miguel: Sarí é indiciada por abandono de incapaz, seguido de morte

Em entrevista ao Jornal do Commercio, Mirtes relatou que percebeu o perfil, que era privado, foi hackeado na última sexta-feira (26). "O nome do perfil permanece o mesmo, só que não tem mais nada nele. Já tentei colocar meu e-mail, modificar a senha, e nada. Apagaram todas as fotos dele", disse. Segundo ela, a última publicação feita na rede social foi sobre o enterro do filho. Miguel foi velado e sepultado no Cemitério de Bonança, no município de Moreno, Zona da Mata de Pernambuco, no dia 4 de junho. "Depois eu não mexi mais. Só estava utilizando para conversar com algumas pessoas", disse.

PC não foi acionada

A mãe do menino afirmou que, apesar de o perfil ter sido hackeado, a Polícia Civil ainda não foi acionada.

Desabafo

Um dia após a missa que marcou os 30 dias da morte do filho, Mirtes desabafou. "Eu não sei nem explicar como eu estou realmente. Eu sei que estou sentindo mais pela morte do meu filho, ontem foi um mês da morte dele, e foi muito difícil para mim. Foi muito difícil para mim ter entrado na igreja ontem para celebrar a vida dele, e saber que eu vou ter que passar o resto da minha vida sem ele é o que dói mais".

Noite de lembranças e muita emoção

Uma noite de lembranças e muita emoção. Familiares e amigos de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, participaram nessa quinta-feira (2), da missa de 30 dias na Igreja Católica localizada no bairro do Barro, Zona Oeste do Recife, pela morte do pequeno.

Durante a cerimônia, o rosto do garoto estava mais uma vez estampado nas camisas dos parentes. Mirtes Renata, a mãe do garoto, chegou acompanhada da mãe e logo na entrada recebeu o carinho dos amigos. Ela vestia a mesma camisa do grupo de corredores. Para ela, ainda é impossível descrever a dor de não ter mais Miguel ao seu lado.

Homenagem

Ao longo da missa, os amigos de Mirtes leram uma carta em homenagem ao pequeno e mostraram a camisa do grupo de corrida que ele costuma usar.

Abraço

Apesar da orientação de distanciamento, ao final da cerimônia, o abraço do Padre em Mirtes foi inevitável. Um gesto de carinho, escaço nos dias atuais, que a deixou emocionada.

Aliviada

A tia de Miguel, France Souza, falou que está mais aliviada com a conclusão do inquérito policial que indiciou a ex-patroa, Sarí Corte Real, por abandono de incapaz com resultado morte.

Sarí indiciada

A primeira dama de Tamandaré, Sarí Corte Real, foi indiciada por abandono de incapaz com resultado morte. O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público, que vai decidir se oferece ou não a denúncia à justiça. Sarí responde pelo crime em liberdade.

Caso Miguel

Miguel era filho de Mirtes Renata Santana de Souza, empregada doméstica de um dos apartamentos do Condomínio Píer Maurício de Nassau, também conhecido como Torres Gêmeas, no bairro de Santo Antônio, área central do Recife.

A patroa dela, Sarí Côrte Real, esposa do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB), foi presa em flagrante, indiciada por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), e liberada após pagamento de fiança de R$ 20 mil.

O fato aconteceu na tarde da terça-feira, dia 2 de junho, quando Sarí mandou Mirtes passear o cachorro da família e se responsabilizou por olhar o garoto.

Mais Lidas